Relatos de uma Minhoca de sandália e meia branca

segunda-feira, julho 30, 2007

semanas daquelas que sabem mal

Ora bem, depois de uma semana nojenta como a passada, cá estou eu de novo para vos contar coisas de mim. Tempo piroso, tristonha, enfim... parece mesmo que chegou o Outono. Hoje ia a sair do trabalho e cheirou-me mesmo a Outono, que é coisa que aqui ainda nao tinha sentido. Uma das coisas que me perturba é a falta dos cheiros das estacoes, do mar, do refogado, etc.
Obrigada às vossas mensagens calorosas em relacao ao assunto gatos. Uma coisa tenho, porém, de dizer. Eu nunca gostei muito de gatos. Este instincto super protector veio ao de cima por eles estarem magrérrimos, a ponto de quase agarrar no osso quando eu pegava neles. Eu queria mimá-los até eles ficarem capazes. Mas há que dizer esta verdade tao absoluta: Ter gatos poe a casa a cheirar mal. Quem acha que tem gatos e a sua casa nao cheira mal, vive enganado. Voces nao dao é conta! A areia nao absorve tudo. Os gatos em si nao cheiram mal. Cheira mal a comida nojenta deles e o chichi e o cocó. O mijo de gato quase que se podia usar como arma letal.
Mas ia eu a dizer, quem acha que tem caixas de areia com portinha, ou dez airwicks espalhados pelas tomadas da casa toda, só se engana. Os animais teem cheiro. Os gatos também, mas o pior cheiro é o das porcarias que eles fazem e comem. Isto para mim é uma verdade irrefutável. E o nosso corpo adapta-se a cheiros, por isso caras amigas, voces já nao cheiram mas as visitas que vao a vossa casa (se é que ainda vao) só nao desistem de ir por delicadeza, e claro que nunca vos iriam dizer que a vossa casa cheira mal. Sim, voces sao limpinhas e tal. E estao com um saquinho plástico mesmo atrás do anus do xano (bi) à espera das bolinhas para elas irem logo parar ao lixo. E as janelas no Verao estao sempre abertas. E dao banhinho com champo de lavanda ao bicho. Tá bem, ABELHA!
Estou a ser muito violenta? Bom, eu continuo na minha de que gostava de ter podido ficar mais tempo com eles. O Bola quis expressar o seu direito de opiniao e de accao e eu deixei. Compreendi. E como reaccao psicossomática, passei o resto da semana meia choné, vomitei o jantar e tal. E o Bola, longe, na terra do avó, também demonstrava os mesmos sintomas. Nao sei se foi das saudades que tivemos um do outro ou se foi dos gatos enfermos aqui tres dias em casa. Mas que tive uma semana de caca, ai isso tive. Nem os doces me animaram. Schnief.

terça-feira, julho 24, 2007

de rebentar pelas costuras

Nos últimos dias andei ocupada a mimar dois gatos bebés que encontrei numa quinta. Como eu tenho uma fixacao por criaturas extremamente magras, quando vejo uma toca de agarrar nela, traze-la pra casa e mimá-la até ficar gorda de nao poder. Parece que me chamam com aqueles olhos tristes aí comeco a visualizar no cinema que é a minha cabeca slogans do tipo come and visit Somalia. O último foi o Bola e como o processo da engorda ainda nao aconteceu, fui ficando com ele, apeguei-me. E dizem por aí que casei com ele.
Estava eu a contar... Fui à festa de Verao da minha ex-empresa e a dada altura, quando me preparava para ir para a fila das salsichas (era um churrasco), ia tropecando num gato minusculo e magrérrimo, assim tipo a keira knightley. Olhei para a Keira e agarrei nela, nao fosse alguma crianca parva e distraída esborrachar a coitada, como alias eu quase ia fazendo. Deixando uma mancha desagradável no chao. No meio de muita conversa, acabei por obrigar o Bola a aceitar a Keira e seu irmao como os dois novos elementos da familia Bola. Ele disse que nao 500 vezes, mas depois acabou por aceitar, ou nao fossem as relacoes de hoje em dia comandadas exclusivamente por mulheres. A minha claro que nao é excepcao.


A Keira, descobrimos ontem, era um Keiro. Aliás, os dois gatos sao gatos e nao gatas, pelo que automaticamente herdaram os nomes de Rambo e Conan. Combinava com a personalidade. Eu queria chamar a um Chuck - as in Norris - mas o Bola nao deixou, disse que se tivesse dinheiro, pagava alguem para dar uma tareia no Chuck, o nosso ranger. Pelo que foi com estes nomes que preenchi a ficha do veterinário ontem. Os bichos estavam subnutridos, como eu já sabia, pesavam cerca de 600 gramas cada um. Hoje já estavam com melhor aspecto, mas o Bola nao aguentou tanto cheiro a cócó e a chichi e nao quis sequer esperar que eles aprendessem a usar o bacio. Vai daí que depois de uma brain wash intensa, conseguiu-me convencer entre lágrimas a deixá-lo devolver o Rambo e o Conan à origem, caso contrário ia servi-los na próxima churrascada. 'Conseguiu-me convencer' é a forma a que me sinto obrigada a escrever. Na verdade, ele nao me convenceu, eu senti que se nao cedesse tinha um advogado a mandar-me os papeis do divorcio pelo correio daqui a uns dias.
Estes homens sao uns egoístas. Decido eu - cheia de amor para dar, a rebentar pelas costuras - conceder a minha atencao a um ser magrinho de 4 patas, ele, também ser magrinho, sente-se ultrapassado.
Depois de ter comprado comida de gato para o mes todo, leite especial para gatos e todas os mimos que consegui por no meu carrinho de compras, ele decide que é tempo de os gatos fazerem as malas. Sendo que na mala iam tambem os medicamentos que o veterinário prescreveu.
O pior já passou.
Agora preciso de dicas para como me livrar do cheiro de chichi de gato da cozinha, sendo que já passei a esfregona tres vezes em todos os locais possíveis. Estarei condenada a ter uma cozinha ainda mais mal-cheirosa? É este o preco a pagar por ter um marido sem coracao? Mas kékeufiz?
O Rambo e o Conan iam ser os meus primeiros amigos felinos. Ainda nem acredito que o sonho acabou.
Oh. Nao quero viver mais. Saia uma ronda de whiskas para todos e um brinde à intolerancia.

quarta-feira, julho 18, 2007

minhoca brincando de intérprete

O meu chefe tem mesmo pinta de ordinarao. Ele nao é o meu chefe, ele é mesmo o big boss, a quem nem sequer dou justificacoes, e ainda bem, pois nao tenho de lidar com ele muitas vezes. Mas há que admitir que os sensores de localizacao imediata de mamas e pernas do homem sao de louvar. É um verdadeiro GPS de miúdas. Desde que topei que ele se inclui na categoria de velhos nojentos com medo de envelhecer quando já sao velhos, que agora gosto de reparar na rapidez com que as suas pupilas se dilatam quando passa uma rapariga gira a menos de cem metros dele. O que vale é que onde eu trabalho nao há muitas raparigas giras, deixa lá contar... ora, uma, du... uma. Pois. Só mesmo só eu. Gira e inteligente. Ah. E simpática.
Infelizmente, o meu chefe acha-me piada, ri-se sempre quando eu lhe falo. Diz que de certeza que nos vamos entender bem, nós, os dois estrangeiros do prédio. É verdade, somos só os dois. Mas eu nem me quero entender com ele. Viscoso. A sorte é que ele anda sempre a viajar. Se o Bola nao arranjar um emprego lá nos próximos seis meses, aí reconsidero dar-lhe um beijinho na testa.
Hoje tive o primeiro dia de trabalho a sério, a ponto de já nao saber para onde me virar. O trabalho era tanto e foi-se acumulando desde ontem que quando me senti desmoralizada, simplesmente desliguei o pc e disse para mim mesma que nao adiantava ficar ali, a querer adiantar todas as coisas que tenho pendentes. E para as quais ainda nao tenho solucao. E a cereja no cimo do bolo, sendo que é um bolo mau, foi quando me informaram que nas semanas 32 e 33 do calendário precisam de mim no departamento académico, para fazer de intérprete de alemao para portugues. 10 dias, das oito às cinco. Logo na semana em que os meus pais e irma me veem visitar. Eu nao meti férias, por ainda estar nos primeiros seis meses, mas como tenho um horario de trabalho relativamente flexivel, estava a contar sair sempre mais cedo nessa semana, tipo duas da tarde. Lixaram-me. Na formacao nao posso fazer isso. O máximo que consegui foi tirar um dia, porque inventei que tinha de os ir levar ao aeroporto. Sabe, os meus pais já sao velhinhos. A minha mae teve-me quando ela já estava na menopausa. Foi um milgare. E eu sou o tesouro deles, a filha unica, sabe como é... esta viagem até cá é algo que eles já estao a planear há dez anos, pois desde os meus 17 anos que nao os vejo. Se eu nao os for levar ao aeroporto, o mais possível, é ter de os ir buscar de comboio à República Checa. Pronto. Tem vezes em que sou tao convincente que bato palmas a mim mesma.
Agora tenho um dossier com mais de 200 acetatos com termos de mecanica e electrica para traduzir para portugues. Algo me diz que vai ser hilariante. Especialmente por eu ser a unica pessoa que percebe tanto a língua de partida como a língua de chegada. Bom, pelo menos já sei o que é um fusível.

terça-feira, julho 17, 2007

michelin cá em casa?

Na semana passada, como fui de manha ao medico para que ele me desse a boa nova que com esta tiróide deficiente, qualquer dia fico pescocuda, pude tomar o pequeno-almoco nas calmas quando regressei a casa. O consultório é nada mais nada menos do que do outro lado da rua. Estava eu a desgustar as minhas torradas com doce de cereja feito por mim, quando oico o Bola a inspirar e a expirar como se estivesse em sofrimento. Ou a fazer um grande esforco, pronto. Vim até ao quarto do computador e para meu espanto, o Bola, acabado de levantar e ainda sem o pequeno-almoco, estava a levantar pesos.
- Bola, nao sabia que também querias ter maminhas. Eu achava que tinha q.b. para nós os dois e quem as quiser apanhar...
Bola explica que desde há várias semanas que anda nesta parvoíce de levantar pesos antes das oito da manha. Realmente, aquele peitoral está a desenvolver-se. Mas para que, pergunto-me eu. Nunca achei piada a gajos insuflados. Com mamas, portanto.
Depois de eu ficar de boca aberta a olhar para as figuras deprimentes dele, ele pos os pesos no chao abruptamente e disse-me, bem perto da minha cara e ainda com hálito matinal:
- Ves?? É por isso que eu faco isto de manha, depois de tu saires. Para nao ter de aturar a gozares comigo.

Temos algumas opcoes em aberto para este comportamento:
--> Bola subitamente preocupado com a aparencia = amante?
--> bola complexado e ainda a sonhar com os momentos mais altos do Rambo, nos anos 80
--> Bola ter inveja das minhas maminhas;
--> Bola andar a despejar frustracoes nos pesos.
Preciso de tempo para pensar nisto. Tempo que nao tenho tido. Entretanto, vou continuando a aproveitar o facto de ele subir os tres andares do predio com as compras todas, enquanto eu carrego um saco de papel higienico com 4 rolos.

segunda-feira, julho 16, 2007

eu é que faco chorar as cebolas




no lago

Olá camaradas!
Cá estou eu depois de um fds cheio de accao, que culminou com a minha triste experiencia no lago. Pois, claro, os 41 graus do mostrador da joalharia da minha rua nao me deixaram sequer pensar duas vezes. Vai daí, Minhoca agarra no seu Bola, mete-o debaixo dum braco, enquanto segura a cesta de palha com o lanche na outra, e dirige-se para o lago mais próxima. Protector solar, toalha, um tamparolere com 8 alperces e duas revistas cientificas e era o quanto bastaria para uma tarde feliz. Sem o cientificas. Acontece que o lago é um nojo, é só pedras. A água nao cheira a mar nem faz barulho. As pessoas em redor sao chatas e muito pouco discretas. E para piorar isto tudo, ou seja, a cereja no topo do gelado, mas sendo que é um gelado mau, estava eu sossegada há dez minutos a preparar-me para entrar nas águas calmas do lago quando, comeco a ver mesmo muita caca a boiar à minha volta. Pensei 'tomei banho hoje?' ou 'fiz cocó nas cuecas?' Nada disso. Reparei foi que os meus pés estavam a remover o lodo das pedras por onde eu passava e quando quis regressar perante a visao horrenda da caca a boiar em torno de mim, já foi tarde. Fui escorregando, escorregando, provocando mais caca que se desprendia das pedras e acabei por ter de megulhar. Um nojo. Nao se pode dizer que a minha saída da água se tenha assemelheado à Hale Barry no 007, mas pronto, foi o melhor que consegui fazer.
Entretanto, o pc parece que sobreaqueceu. Vou ter de desligar isto. Volto mais logo. Entretanto, curtam aí esta música que tem tanto de nova como de linda.

quinta-feira, julho 12, 2007

pessoa secreta com piada

Entao lá fui saltitante ao departamento de recursos humanos entregar o CV do Bola. Nao levei o meu wonderbra, pois achei que perante um senhor que tinha estado DE LIVRE VONTADE vinte anos na tropa, o melhor mesmo era ir armada em marota com o meu fato camuflado-transparente. Pronto, ok, chega de use your illusion e tal.
Fui com o meu ar de menina doce e angélica e ainda pensei em me atirar aos pés dele a implorar que ele desse um emprego ao homem com quem estou por casamento arranjado, e que lhe pague o suficiente para eu poder voltar a comer pao.
Ele ligou-me ao fim da tarde a pedir para eu lhe enviar o certificado de habilitacoes dele. O certificado de Politica e Ecologia. Sinceramente. As combinacoes que há por aí. Depois tem ali uma fase anterior a esta em que andou perdido, que tambem deu direito a um certificado de Psicologia e Management. Depois encontrou-me a vida dele recomecou claro. Viu a luz. Viu a luz mas passou depressa, pois aquele olhar cintilante com que ele me contemplava desapareceu há muito. E vai desaparecendo todos os dias um pouco, em pequenos momentos, onde ele diz que eu perco pontos. (isto quando lhe contei que acho que flatulencia no carro nao tem mal quando vou sozinha) Perco pontos, perco pontos, mas quando toca ao currículo dele, é sempre nas minhas maos que anda e sao sempre as minhas maos que o constroem. Estes gajos sao todos uns ingratos. Falam, falam e só dizem asneiras.

Bom, fui ao medico hoje. Ele aumentou a minha dose dos comprimidos para controlar a minha tiróide preguicosa. Quando falou em o meu pescoco poder aumentar drasticamente de volume (tipo para o dobro) caso eu nao tomasse os malditos comprimidos, eu ia tendo um colapso. Veja la isso, que eu ja sou pescocuda que baste. Pode triplicar a dose. Sabe, eu sou modelo, o meu ganha-pao é o meu corpo.

Entretanto, iniciei uma sessao de recados na casa-de-banho. Já desde que comecei que está uma folha A4 pendurada na porta da casa-de-banho com a simpática missiva que se segue:
O piaçába nao é para ser contemplado, é para ser usado e ia ficar muito feliz se passasse a ser utilizado. Obrigada.
Isto demonstra que alguem por lá nao era muito amiga de limpar o cocó das paredes da sanita. Nao devia conhecer a técnica da amante portuguesa que mal o poio cai, já está a agua a correr. Mas adiante. Depois de 10 semanas, achei que estava na altura de substituir este cartaz-wannabe deprimente, pois uma missiva tao repetitiva passa a ser ignorada depressa. Vai daí que pus lá uma missiva em papel A3 a dizer assim:
Amigas do piaçába,
já que connosco, contemplar é mais a parede, e que tal colorir a coitadinha com os meus posters da BRAVO de 1992?

Decidi que vou anima-las todos dias com missivas diferentes, a ponto de elas fazerem fila para todas as manhas lerem em primeira mao a nova mensagem da pessoa secreta com piada.

terça-feira, julho 10, 2007

dizem que copas avantajadas abrem muitas portas

Estou a preparar-me para amanha fazer algo que nunca imaginei vir a ser necessário nos próximos 5, 6 anos. Em Dezembro do ano passado, vi que na empresa onde estava nao ia ter futuro nenhum. Como fiz sempre o mesmo em tres anos e nao notei qualquer sinal de evolucao, por mais pequeno que fosse, cheguei ao fim da linha depressa. O Bola demorou mais tempo, mas parece que o fim da linha é agora claro para ele tambem. Corrijam-se se estou enganada, mas final da linha é quando um gajo da idade dele passa grande parte do dia apático e desgraca-se a rir a ver os Simpsons da primeira temporada. Simpsons nao teem assim piada a ponto de uma pessoa se desfazer de riso. Foi aí que vi que o estado dele já está no nível alarmante.
Portanto, fiz o currículo dele, obriguei-o a escrever uma carta de candidatura daquelas de sonho e amanha vou entregar o envelope no departamento de recursos humanos da empresa onde EU estou. Antes disso, já o fiz prometer que seja lá quando for que a oportunidade apareca, que nao vai cometer o abuso do passado. De num curto espaco de tempo, ser promovido e passar a ganhar mais do que eu. E é nesses termos que eu me predisponho a por o meu wonderbra amanha para ir falar com o senhor dos recursos humanos, a quem já mandei hoje um mail nao muito viscoso mas simpatico demais. Argh. Era tao mais fácil se o Bola tivesse maminhas. No meu departamento, ser gaja e ter maminhas é denominador comum. Hoje até sugeri às minhas companheiras fundarmos o clube da Copa Emancipada. Elas riram-se e uma delas, no meio das lágrimas de tanto rir, disse Tu só podes ser Capricórnio... és tao engracada. Só me fazes rir!
Finalmente descobri o canto onde se escondem as gajas fixes. Já nao era sem tempo.

segunda-feira, julho 09, 2007

deixem-me é ir pra praia, ta bem?

Nao é uma coincidencia eu só me sentir enjoada às segundas-feiras de manha, depois de acordar. O meu corpo simplesmente nao quer que eu me levante. Contorce-se todo. Faz-me ficar branca, amarela e com vontade de vomitar comida que o meu estomago nem sequer tem. E lá fico. Encostada à almofada, com pena de mim própria. Até o Bola me atirar com um
Deixa de ser preguicosa e vai trabalhar, e aí comecamos com uma batalha de almofadas que normalmente acaba sempre em.... ha?... acaba sempre, pois. Deixa lá ir ler direito o que eu tou pra aqui a escrever. Disparates destes só quando o Pai e a Mae deixarem de vir ao blog.
Neste fim-de-semana aproveitei o tempo choné para ficar colada ao sofá, que desta vez é como quem diz, ao colchao insuflável onde normalmente me banho de sol. E fui-me roendo de inveja por pensar na minha Mae com as minhas irmas, esticadas ao sol no Algarve. Limpei a casa-de-banho e a cozinha para o Bola poder comentar com a minha sogra a minhoca anda a limpar, que é algo que ele faz sempre com muito brio, contar à mae ao telefone quando eu ando a limpar. Um dia destes, ainda o apanho a dizer entredentes maezinha, ves, ela nao é de todo inutil. Mas isto é só para fazer piadas parvas, porque a minha sogra é amorosa, o rótulo de sogra é tao forte que quase a diminui da pessoa dócil que ela é. E ela acha que eu sou uma escrava do lar. Está-me sempre a dizer que com os cursos de ingles, o meu emprego e a casa para limpar, que certamente nao dá.
- Tu obriga-o a ajudar-te porque eu ensinei-o a fazer tudo.
Sempre que ela diz isto, páro para pensar e depois afasto os pensamentos maldosos da minha cabeca. É que ela insiste sempre no tudo. Até carrega no u e tudo.
Eu até estava com vontade de escrever mais, mas comi tanto Gyros com tsasiki ao jantar que nao me consigo mexer muito e dado que eu quando escrevo costumo desafiar a energia cinética, acho que hoje nao me cheira, nao, nao vai dar.
Até logo!

sexta-feira, julho 06, 2007

podre

Sexta-feira é sempre o melhor dia da semana. Esta semana por mais uma razao. Acabou a formacao que estava a dar comigo em doida. O tipo era tao monocordico e tao secas, que estar ali foi um verdadeiro suplício. Eu simplesmente nao consegui estar parada nunca. Ou mexia no cabelo, ou cruzava as pernas, ou brincava com a chavena do meu 34o café. Tudo para nao adormecer. Numa das vezes, o tipo foi buscar nao sei o que, e nos dez minutos em que ficou ausente, pus a cabeca em cima do meu braco e fechei os olhos por dois minutos. Ia-me apagando. Quando ouvi a porta, abri os olhos de repente e meia ensonada perguntei alto em meu redor QUEM?QUANDO?ONDE?PORQUE?
Ninguém me respondeu. Nao foi preciso.
Às tres da tarde, acabámos e depois de eu me certificar que nao deixava mails por responder, vim para casa, a desafiar o nível da gasolina no carro. Sinto que um dia destes fico mesmo na estrada, à mercê da boa vontade de algum simpático que me ajude a chegar à bomba mais próxima. Mas esqueco-me de olhar para o mostrador da gasolina, pronto, que hei-de fazer... Ando num estado em que isto já nem com post-its lá vai.
De tarde, estive a dormir e que bem que me soube. Quando o Bola entrou pelo quarto adentro às seis da tarde, voltei a acordar sobressaltada, perguntando alto QUEM?QUANDO?ONDE?PORQUE? Sempre esta sensacao que dormir é ilegal. Ilegal devia ser comer tantas couves de bruxelas. Que isto dá uma flatulencia que nem vos conto. Deve ser por isso que hoje o Bola ainda nao falou direito comigo. Descobriu que eu apodreci de vez.
Bom fim-de-semana, camaradas! Ponham esse sono em dia, que é o que eu entendo fazer. Durmamos todos para um mundo melhor!

quarta-feira, julho 04, 2007

lufa-lufa

Porque é que as pessoas me continuam a mandar mails sentimentais, chain-letters e coisas que tais? Eu nunca reenvar. Eu nao gostar. Eu ficar farta. E acima de tudo, eu nao querer que a AOL contribua com um centimo para aquela menina lá duma terra estranha, da qual nunca ninguem ouviu falar, finalmente ser operada.
Posto isto, agora podemos continuar.
Às vezes, pergunto-me se entendo o conceito time management. Vejamos, passo a minha semana a correr. Diria até que agora trabalho sob uma certa dose de stress. Saio de casa às 7,40 todos os dias para entrar no trabalho as oito. Como a minha zona de clientes é o sul da America, às vezes estou pronta para sair às cinco e lá chega mais qualquer coisa para fazer, pois devido à diferenca horária, a America do Sul só acorda quando eu já estou a preparar-me para me por a andar. Às tercas e quintas, nao posso mesmo ficar depois das cinco, venho a correr para casa para entrar, sair e cinco minutos depois, chegar à escola onde dou os cursos, com a minha pulsacao a avisar-me que um dias destes um dos pulmoes me sai pela boca fora. Tercas e quintas, quando finalmente páro, já sao oito da noite. Nem sempre tenho o jantar feito quando chego a casa. Às vezes, ainda o vou fazer. Quando já tenho tudo arrumado, ja sao horas de me ir deitar. Para dormir menos de oito horas e no dia seguinte repetir tudo outra vez. A roupa fica dias a fio a secar no estendal. Acumula-se no cesto para passar a ferro. A casa de banho grita para ser limpa, pois só ao fim-de-semana nao chega. E há dias em que olho para o meu reflexo no espelho e oico algo do género a vida dum adulto é mesmo isto e olha que para já voces ja sao só dois, imagina quando vierem os filhos. Portanto, quando eu já acho que ando sempre a correr (e quando venho aqui a postar, só o faco com um olho
aberto) é quando devo concluir que o pior ainda está para vir. E perante uma imagem horrenda de eu, a mexer um tacho com um filho ao colo aos berros e outro a meter aos maos no forno e eu aos gritos para o Bola me vir ajudar, sem eu dar conta do recado, que vos pergunto A VOSSA VIDA TAMBEM É ISTO? Também correm? Foi para isto que os vossos pais vos prepararam? E aqueles que ainda vao ao ginasio, passear e ocupar os TEMPOS LIVRES durante a semana?
Ou queixo-me de barriga cheia? Cheia ela está de certeza...
Mostrem-me lá que há muito pior, que eu nao passo duma amadora. Vá lá!

excursão

Hoje foi o dia menos secante da formacao. Fomos em excursao a uma vila, a hora e meia daqui visitar uma fabrica que produz embalagens de cartao. Uma fabrica que tem as maquinas da empresa onde eu trabalho, onde podemos ver o produto da NOSSA empresa em funcionamento. Porque, na verdade, lá no trabalho nao temos a chance de ver as maquinas em movimento como na planta de um cliente. Foi muito giro. Ver caixas de cartao, onde se colocam as garrafinhas actimel, caixas essas cuja impressao tem de sair perfeita. Sabiam que só pelo facto de palavra actimel levar um ponto no i DA COR VERMELHA, o preco só por isso é mais elevado? As coisas que eu aprendo nas salsichas...
À ida para lá fui a dormir, à vinda para cá vim a dormir. Nao sei se já contei que durmo em todo o lado, desde que sentada... Se nao fossem os pimentos que comi ao almoco, que me fizeram arrotar a viagem toda, mantendo os meus companheiros à distancia, quase que se podia chamar ao dia de hoje perfeito. Foi a primeira vez que andei de BUS na Alemanha. A rede dos comboios (que por acaso, esta semana está em greve) é muito mais sólida, sendo o comboio o transporte público de eleicao. Por acaso, a certa altura lembrei-me mesmo das excursoes da escola. Lembro-me de ver os meus professores a contarem as cabecas, para ver se estavamos todos. Só interessava o numero final, nao quem é este ou aquela.
Regressei da excursao mais cedo, sem sequer me preocupar em passar pela minha secretária. Os mails que esperem até amanha. Agora preciso de digerir estes pimentos verdes do almoco que ainda nao desceram. Vou ali contemplar o tampo da sanita e já venho.

segunda-feira, julho 02, 2007

dilema

E eis que comecamos a preparar a nossa viagem à Índia. O mínimo que consigo encontrar em termos de horas de voo Munique-Nova Deli, sao 8 horas e 40 minutos. Espero sobreviver. O dilema do qual vos quero é falar é a extensao das férias. Bola quer ir um mes e nao arreda pé.
- Para um país destes, só compensa se formos um mes.

Tem sido uma daquelas guerras que está a ser difícil ganhar. Eu conheco-me. Sei que apos duas semanas, já vou estar a desejar a minha cama desesperadamente. Chocolate. Saladas. Coisas que nao vou poder comer por lá. Mas, até tres semanas, sou capaz de ficar. Um mes, acho demais. Entendo que nem o sítio mais lindo deste planeta continua lindo aos nossos olhos, se lá ficarmos uma eternidade. Para mim, quatro semanas num país completamente diferente daqueles onde estive até agora, é demais. Nao, nao e nao. Nao há corpo que aguente imodium tanto tempo. Isto, sem contar com aqueles contratempos que me vao fazer chorar, tipo os nativos a agarrarem em mim por me confundirem com a spice posh; eu a tropecar com a tromba directamente num bocado de bosta de elefante; o Bola a impor-me um sari e a marcar a minha testa com uma caneta de feltro.
Será que vou ter de lhe meter a peta de no meu emprego, ninguem poder tirar um mes de empreitada? É a que cola melhor. Mas eu disse-lhe há quase um ano no altar que o vou amar e respeitar...será que há contemplacoes para a chamada mentirinha saudável?

sem espaco para humor

A noite passada foi um episódio repetido de muitas noites de Verao. Uma estupida duma melga a zumbir à minha volta e que me acordou praticamente de hora a hora. Até que chegou a hora de ela partir. Abri a luz de madrugada e, com um dos olhos abertos, pois de madrugada nunca consigo ter os dois abertos ao mesmo tempo, observei a desgracada. E ali estava ela, com as patinhas postas na minha parede cor-de-laranja, a preparar-se para mais um cocktail. Num acto mais do que pensado, esmago a desgracada contra a parede para depois, com um lenco de papel embebido em água, limpar os restos daquela massa preta nojenta e do MEU sangue que a paravalhona foi sugando noite fora. E claro que comecando assim o dia, acordei com um melao desgracado, com vontade de gritar a toda a gente bem perto da cara, sem ter lavado os dentes ainda.
Fui para o trabalho com chuva a cair no meu pára-brisas, quase que fazia lembrar um vídeo do Roberto Carlos ou Leandro e Leonardo (ainda respiram estes dois?). Na estrada bucólica por onde costumo ir, mais um animal felpudo abatido (atropelado) na berma da estrada. Na semana passada, ia jurar ter visto um castor, com os dentoes espetados à frente, que me fez lembrar uma amiga da minha infancia. Mas o bicho de hoje nao era um castor, nem um coelho. Mas era grande e felpudo. Pois nao sei. Talvez fosse um dos meus ex-colegas.
Chegada ao trabalho, dirijo-me para o centro de formacao, pois lembrei-me por mero acaso que vou ter formacao toda a semana. Eu e 19 homens, daqueles corpulentos, com cara de quem come tres pratos de jardineira ao almoco e ainda arrota a pedir mais. Claro que ser a unica menina no meio destes abutres nao é propriamente divertido, pois apanhei uns quantos a olhar-me com o mesmo ar com que eu olho para uma boa cheese-cake. Assim com os olhos pequeninos e as narinas bem abertas. Só que a cheese-cake, normalmente sei que a vou comer.
A formacao revelou-se interessante para eu descobrir mecanismos de defesa para nao adormecer, mecanismos esses que eu desconhecia em mim mesma. Penso hoje ter chegado ao nível de sobrevivencia. Como e bebo. Para nao adormecer. Que nem uma desalmada. Comida nao tinha, mas masquei a chicla com a sofreguidao de quem come um pacote inteiro de sugus depois de meses sem lhes tocar. (pronto, sou só eu) Deve ser por mascar assim a chicla que a comunidade masculina dos prezados colegas me foi olhando assim a modos que suspeitos. Ou entao já me viram com a t-shirt que postei ontem.
A formacao foi uma seca. Só de saber que vou ter isto a semana inteira, fico com vontade de chorar. Com vontade de chorar, ia ficando tambem quando, a título de piadinha (nao consigo ficar calada), perguntei lá ao mestre se quarta-feira, quando fossemos ver uma fabrica de cartao a funcionar LIVE, se eu podia trazer para casa uma caixa de cartao para me enfiar la dentro:
- (cara séria) Pois bem, eu penso que sim. Há um contentor com cartao que nao é utilizado, onde cada um pode depois ir buscar uma amostra para levar para casa.

domingo, julho 01, 2007

festa


Entretanto, a nossa foca festejou o seu terceiro aniversário. Com direito a prenda. Eu e o Bola achamos que depois de nos sairmos bem com a foca, já poderemos ser pais dum pequeno ranhoso ou ranhosa.

'brigada à brigada da Salada

Directamente daqui. Adorei!

actualizacoes

Mais um fds que passou a correr. Sexta-feira fui visitar uma ex-colega, cujo namorado costuma ir almocar comigo à cantina lá no trabalho. No início era estranho, ele parecia o cao, fiel companheiro que me acompanhava e me guardava enquanto eu comia. Nao falava muito. (nao tinha oportunidade, diz ele) Comecei a dizer-lhe que apesar de eu nao ter companhia, nao era preciso ele vir comigo se ainda por cima nem sequer comia. Ele nunca deixou de vir. Nem os restos de comida que eu lhe cuspia para a cara, na tentiva de mastigar e falar ao mesmo tempo, o demoveram. Devagar comecamos a ficar amigos e ainda bem, porque ele é um mocoilo simples, bem-disposto, com o seu que de humor, portanto tem os requisitos básicos para entrar na minha lista de amigos, onde já estao dois. Ena!Oba! Tres amigos. Bom, ele e a namorada teem duas gémeas de tres anos e, sexta-feira passei lá por casa para as ver outra vez. Estive a brincar com elas cerca de uma hora. Entendemo-nos na perfeicao, ou nao fossem elas ser as pessoas do meu círculo, cuja idade mental mais se aproxima da minha. Brincámos de aviaozinho, leitura de histórias e jogo dos autocolantes, que consiste em colar autocolantes nos sítios mais interessantes da casa. Sabe tao bem de vez em quando conversar com pessoas pequenas, daquelas sem maroscas nem truques, que dizem exactamente o que pensam, por mais inconveniente que seja. Vendo bem, assim, tipo.. eu. Na parte do inconveniente.

Ontem foi dia de limpezas e arrumacoes, pois veio o meu sogro com o meu cunhado passar cá o fds. O Bola continua a perguntar-me, nestas ocasioes, como já é tao tipico dele, porque é que eu me empenho tanto em arrumar as coisas a ponto de parecer que a casa nao está habitada. É a pergunta mais conveniente para me fazer, sentado, a ler o jornal, enquanto eu me descabelo toda para fazer camas, arrumar tábua de engomar e retirar os 56 pares de calcado dele do hall da entrada. Este hábito horrroso dos alemaes, em ter a sapatada toda no hall da entrada ou mesmo fora da porta. Mania que ainda nao consegui extinguir. O Bola acha normal recebermos visitas com a tábua de engomar aberta no meio da sala. E eu acho normal agarrar no ferro e atirar-lhe à tromba, para ele ver se acorda. Por favor... quer dizer, nao sou de formalidades exageradas, mas entrar alguem e ver a tábua de passar especada no meio da sala... é como que dizer à malta com voces cá ou nao, tanto me dá. À Vontade, à vontade sim, mas sem exageros. Se houve coisa que a minha Mae me ensinou E EU APRENDI foi ser excelente anfitria, ela sempre recebeu toda a gente com toda a pompa. Já o meu Pai, bom... quando temos visitas... realmente pode ser coincidencia, mas desaparece. Vai ao pao. ih ih. Pronto, só às vezes.