Relatos de uma Minhoca de sandália e meia branca

domingo, dezembro 30, 2007

resoluções, tinha de ser

E as resoluções de ano novo, este ano não há? Ah, bem me parecia que havia aí qualquer coisa. Eu acho que tinha mais resoluções no ano passado, mas pronto, ainda se arranja qualquer coisa.
Ora bem, em 2008 é urgente perder peso. Oh que surpresa. Não é preciso ser muitos quilos, nada disso. Assim, tipo 5. Cinco quilos é aceitável, não é? É o peso daqueles garrafões de cinco litros, que fui com o meu pai há uns dias encher à fonte. E retirar um peso com esse total do meu corpo seria mais do que suficiente, eu sou quase uma modelo daquelas que vêem na la redoute com cara de quem tem mesmo mau feitio. Para quê serem tão esbeltas quando depois têm tão mau feitio? Não percebo. Nunca têm ar de simpáticas. Estúpidas.
Mas o que eu queria mesmo saber é se quando temos a mesma resolução dois anos seguidos sem a cumprir, ainda a podemos nomear uma terceira vez... será que dá? É que não é só esta do perder peso. É também aquela outra de praticar desporto. Eu gostava (cof cof) tanto. Pilates e tal... tá tão na moda. Transpirar é que é tá na moda. Uma sauna também não era má ideia se eu não fosse claustrofóbica.
Em 2008 gostava também de desenvolver um hobby de carácter musical. A pressão na casa paterna eleva-se de uma forma brutal. Sempre que venho cá, dou-me conta que cada um dos meus irmãos tem o seu instrumento e eu sou a única que fica agarrada às páginas da Caras enquanto eles tocam. Já pensei em trazer uns ferrinhos ou uma pandeireta, para isto não ficar tão desequilibrado. A minha irmã senta-se ao piano, o meu irmão toca saxofone e a minha irmã mais nova viola. Armados em família Von Trapp. Eu cantava, se me deixassem... como diz a minha sogra, se eu gosto de cantar, as pessoas deviam deixar-me, pois cantar faz as pessoas felizes. E logo agora que com a passagem de ano não me sinto a minhoca mais feliz dessas maçãs podres que praí andam...
Em 2008 vou mudar de cidade, começar um emprego novo e ainda não sei que mais surpresas o ano me reserva. Mas não me queixo do ano que passou. Superou as minhas expectativas. Como último desejo, gostava de pedir à fada das resoluções que me realizasse o desejo de me embalarem em vácuo com a cabeça de fora. É algo em que penso todos os dias. Porquê não sei.
Ah, e neste ano que aí vem o Bola quer comprar um carro novo. Seat Leon. É favor deixarem aí nos comentários as más experiências que tiveram com o carro, quem as teve, façavor.

ele até piano toca

Com o final do ano e tal, há a tendência para a pieguice desenfreada (ai aí não?) por isso é que eu me atrevo a pôr aqui uma cançãozinha para todas aquelas que esperam, como eu, em vão, pelo dia em que alguém (no caso ideal, aquele por quem o nosso coração chama) nos canta algo parecido ao piano. Sim, convém que seja ao piano. Uma guitarra já não caía tão bem.
Este foi o meu filme de Natal.

sexta-feira, dezembro 28, 2007

não dá para saltar o fim-d'ano?

Uma das vantagens de não morar em Portugal é que quando cá venho, nunca tenho frio. De todo. Nunca. Desde que cheguei, ainda não tive frio. De manhã, todos os dias depois de acordar, vou-me sentar num banco no alpendre da parte de trás da casa e ali fico sentada, de pijama e pantufas. Sem frio nem termotebe. A apreciar a calma, a contemplar a vinha do vizinho do lado, o tal que no fim-de-ano, à meia-noite desata aos tiros, deixando a minha mãe com o coração nas mãos e as mãos, essas, a barrarem-nos as portas para não nos deixar ir para o jardim, para não levarmos com um balázio no rabo. Gosto de cheirar o ar que aqui, na terra do galo mais sexy do mundo, tem sempre um cheiro próprio. Às vezes, a queimado, outras vezes a nevoeiro, ou consoante a estação do ano, a qualquer outra coisa. O ar aqui em Portugal tem cheiro, seja em que estação for. Agora me dou conta. Na Alemanha nunca cheira a Inverno. Eu cheiro aquilo que é suposto não cheirar a nada, assim tipo nevoeiro e neve. Quando está para nevar, cheira-me sempre.
Assim como me cheira que o meu fim-de-ano vai ser assim pró secante. Eu nao queria passar o fim-de-ano na Alemanha. Eu andava ainda a decidir em que dia regressar das férias do Natal quando o Bola me diz que já tinha comprado o seu bilhete com regresso a 31 para passarmos a o fim do ano juntos. Romântico, porém desnecessário. Com os amigos dele, em casa deles, assim pro hippie. Apesar de eu ser toda make love not war, não tenho muito em comum com eles. E não me refiro à parte de eu não conseguir estar a menos de um metro do cabelo - ninho de ratos - de alguém com rastas. Eles são pessoas normalíssimas, mas na verdade temos pouco em comum. Por exemplo, eles gostam de preto, eu é mais de vermelho e azul. Eles dizem para quem quiser ouvir que o Pai-Natal não existe e eu SEI que ele existe. Além destes motivos já fortes q.b., não gostei que me tivessem ficado com um toalhão de banho que lá deixei há precisamente um ano. Fico com um pó a pessoas que não devolvem as coisas, mas isso é tema para outro - possivelmente repetido - post. Bom, como vou ter de gramar com os amigos hippies dele na passagem de ano e ter de tentar ser cool, o que nem semopre é fácil, parece-me que tenho duas hipóteses: a)a mais aplaudida e imitada por tantos outros dada a ocasiao: embebedar-me; b)... pois, não há b. Desta vez, não há opções, sendo que não vou poder aquilo que eu mais gostava de fazer. Dormir. Aterrar na cama e acordar no novo ano.
Sou daquelas pessoas anti-festejos-de-fim-de-ano. Há quem prefira termos como insossa ou choca.
Agora vou ali fazer a minha lista das 5 resolucões para 2008. É um must. Combinei com o Bola que vamos trocar impressões acerca das resoluções de cada um, na viagem de comboio para casa, na terça-feira. Cinco resoluções cada um.
Agora deixo-vos um tema de alegria para ouvir alto e mexer a cabeça assim prá frente como aqueles cãezinhos que nós, portugueses emigrantes que falam a língua estrangeira bem alto quando vamos pagar na massimo dutti para todos ouvirmos bem, trazemos na parte de trás do carro, a abanar a cabecinha. Haja alegria!
Será normal eu ter isto em repeat?

Entre outras razoes pelas quais eu preciso de vir regularmente a casa, é tudo aquilo que o Vitinho por exemplo, simboliza. Eu nao era assim muito pequena na altura deste Vitinho, mas era pequena. E tenho saudades desse tempo, tantas, que às vezes quase que arranco um dente à força para o deixar debaixo da almofada para a fada dos dentes me realizar este desejo. Isto é incrivelmente infantil, eu sei, mas tenho saudades de morar em casa dos meus pais, de nao ter preocupações, de não ter contas para pagar nem decisões à espera de serem tomadas. Tenho saudades de nao ter assinatura e de não precisar dela para nada. Saudades de sonhar com o quando eu for grande. Saudades de não precisar de bilhetes de avião. Muito menos da Ibéria. Apetecia-me ser o Vitinho. Até na parte que desliza nu pelo lençol abaixo. Acima de tudo, apetecia-me muito voltar a ser criança. Esfolar os joelhos. Ouvir as cassetes dos Ondachoc até a fita romper. Ver o Duarte & Companhia e achar aquilo super fixe. Sonhar com o Michael Knight.
Os meus sacam dos vídeos de quando eu tinha dez anos e depois dá nisto, nesta recusa de viver o presente. Ter saudades é uma chatice.

quinta-feira, dezembro 27, 2007

fantasias de Natal, qual é a tua?

Os dias de Natal têm sido maravilhosos. Lareira. Pão de queijo. Rabanadas. Polvo frito. Lareira. Sofás ergonómicos que respondem às minhas ordens. Deita. Levanta. Deita outra vez. Dormir até tarde. Ficar a pé até tarde. Estar na casa com as vozes que eu conheco. Para alem das minhas. Lareira. Filmes de Natal. Ver filmes repetidos. Ouvir quem toca piano. Os manos. Os pais. Arrancar mais uma fantasia da árvore. Era a última. Amanha é preciso comprar mais, mas só da imperial, por favor. As outras nao andam nem perto. Nem tinham um anúncio de televisão tão giro como este do ... e comeu. As ruas do Porto. A árvore de Natal do Porto. As pastelarias do Porto. Os croissants do Porto. As retrosarias do Porto e os collants maravilhosos por menos de três euros. O bolhao e o sotaque de que nao gosto. A linha do Douro. O cheiro do frio, que não é frio, sabem lá vocês o que é frio por cá. Cachecol cá é decoração. O teclado com acentos. Os posts com acento.
E termino com o título do post. A minha é com o Ricardo Araújo Pereira, um nome que não me canso de repetir, de franjinha, com aquele tique dele à cromo do anúncio do sapo. Se o Ricardo nao puder, pode ser o David Fonseca a assobiar como faz no início do seu novo tema, aí apareco eu e ensino-o como se pronuncia superstar, sem fechar a boca.

domingo, dezembro 23, 2007

encomendas de todos os tamanhos

Se eu tenho a opcao de aparecer em casa dos meus pais, sem avisar, antes do Natal, dentro de uma caixa de cartao, porque haveria de querer que ele soubessem antes, aparecendo da forma mais banal possivel, de mala na mao pela porta adentro? Nao. Sem piada. Um bem-hajas ao efeito surpresa! E posto isto, posso agora depois destes dias de ausencia contar que estou em Portugal e que nao fui passar o Natal a Moscovo. O Bola é amoroso, como só ele sabe ser aos domingos, e há duas semanas atrás convenceu-me a vir passar o Natal a casa. E eu nao insisti muito em ir a Moscovo, para que forcar algo perante o qual o meu coracao se enrugava e comecava a ficar pequenino?
E entao dei 5 euros à minha irma para ela me arranjar uma caixa onde eu coubesse para prepararmos o nosso número. E assim foi, apareci em casa, com a ajuda dela, dentro de uma caixa de cartao com um grande laco em cima. A minha mae teve uma reaccao que deixou todos com um pouco de medo, a certa altura pensei que ela voltasse a fechar a caixa e me despachasse para o posto dos correios mais próxims, mas surpresas destas nao contemplam devolucoes. A minha mae nao é a melhor amiga das surpresas, pronto. Mas já me sentou ao colo dela e me convenceu que gostou muito da surpresa. E que infelizmente, a máquina de secar fica para a proxima.
Quando se tem uma caixa do nosso tamanho, é difícil parar de insistir em saltar para dentro dela sempre que aparece alguem novo.
Tou em família, tá calor, o sol brilha e já mimei o estomago com todas aquelas coisas com que vou sonhando no país das salsichas. Só me falta mesmo o Bola, mas por dez dias sabe bem viver sem traducoes.

quinta-feira, dezembro 13, 2007

tantas meninas, assim de repente

O jantar com as minhas colegas correu bem. Gostaram da comida, só faltou raparem o tacho. No final, ainda rematámos com um vinho do Porto de 1999, que elas mandaram abaixo como aquilo fosse um schnapps.
- Suas brutas, é para saborear e nao para despejar! Vamos lá beber outro mas desta vez como deve ser.
Depois, como elas nao mostraram grande interesse no sessao de fotos da minha infancia, que eu tinha preparado para lhes mostrar, na temática para-nos-conhecermos-melhor, ficámos na sala sentadinhas a fazer o que as gajas fazem de melhor quando de juntam. A falar mal umas das outras, portanto. Bom, nao foi bem falar mal (que é outra coisa que nós dizemos, pra sermos politicamente correctas), foi falar a verdade. Um especial obrigada ao Bola que cozinhou lindamente e se enquadrou, conseguindo quase ser one of the girls, por uma noite. Até na história dos tampoes, ele nao me desiludiu, ouviu, rindo-se, sem fazer aquele esgar de nojo que o sexo oposto faz quando se mencionam palavras como fluxo, tampoes, período ou ovulacao. Uma colega minha, quando morou nos Estados Unidos, na falta dos tradicionais ob's (marca dos tampoes, que eu imagino que seja o signficiado para O.h que B.om) teve de usar tampax e como nao sabia que o aplicador era só para ser usado como tal, enfiou aquilo tudo para dentro de si e só algumas horas depois achou que algo nao estava bem. Um certo desconforto. Uma história bonita, que me fez sentir saudades da revista Maria, essa revista do povo, pocket-size, que cabe em qualquer carteira e que traz fotos dos bebés mais bonitos do mes. Tao lindo.
Deitei-me tarde, acordei com sono, fiz uma malha na meia-calca (collants diz quem é sofisticado) e tenho uma cozinha que causaria arrepios a pessoas com a mania da organizacao. E on top of that, logo tenho aula de ingles, por isso vou corrigir TPC's de desde há 6 semanas e rir-me um bocado com as asneiras, que isto de ter de trabalhar nao tá com nada.

quarta-feira, dezembro 12, 2007

car...que?

Ontem, enquanto procurava bom vinho portugues nas prateleiras do supermercado, ouvi de novo gente a falar portugues na seccao dos licores. Andava eu a procurar um bom tinto quando os meus ouvidos identificam uma palavra familiar nas bocas alheias e, meus amigos, como pode uma frase terminada em caralho deixar dúvidas de que se trata da Língua de Camoes? Embora até seja uma blasfémia colocar o nome de tao grande poeta na mesma frase com um termo tao vulgar, deixem-me que vos diga que nao me custa nada imaginar o Camoes a meio de mais um soneto, enquanto escrevinhava os Lusíadas, a pensar no D. Sebastiao, e perante a tinta que pingava da pena, sai-lhe: caralho, nunca mais compro penas em promocao. Mas realmente levar 4 e pagar uma é algo a que nao pude resistir. Há duas coisas que todos sabemos a respeito de Camoes. Uma, era que ele só via dum olho, a outra era o quanto ele gostava de promocoes.
Bom, mas estava eu a ver dos vinhos (acabei por comprar um californiano, a pensar na chiqui, leitora assídua do meu blog) quando o meu campo de audicao acende a luzinha portugues, e eis que levanto as antenas e lá estao, aos magotes. Pergunto ao Bola se é hoje o dia da Construcao Civil e perante a sua resposta, intrigo-me com tanto macho latino junto num espaco de 10 metros quadrados. Estarao a dar baloes? Há alguma coisa de borla? Comeco a examinar o carrinho das compras dos meus compatriotas e vejo que realmente o carrinho nao podia ser mais portugues. Água sem gás, tintol, pao, fiambre e queijo. Nem foi preciso ouvir mais um caralho pra ver que se tratavam de portugueses. Gostei das camisas abertas até ao umbigo e dos pelos selvagens que se enrolavam uns nos outros e nos fios de ouro. Havia outros mais discretos, apenas com um botao aberto, mas a quantidade de pelos desejosos de se escaparem pelo pescoco era tanta, que posso jurar a senhora da caixa até corou ligeiramente perante a presenca de tanta testosterona. Eu estava imóvel, pois o Bola agarrou-me pela cintura e amordacou-me* a boca e dizia-me num tom repressivo nao vais a correr dar-lhes o teu telemóvel, vá, contém-te, eu sei que tu consegues. Nao sao portugueses, devem ser russos. Entretanto, eles pagaram os seus 3 carrinhos de compras e foram embora enquanto nós colocávamos as nossas nos sacos. No final, ainda me atirei pra dentro do carrinho e apressei-me a deslizar pelos corredores fora para me amandar contra o carrinho deles, mas sinal deles já nao havia. Acho indecente o Bola nao ter compreensao para as minhas fantasias. Ando há anos a tentar convence-lo a realizar a mais simples de todas, de cozinhar para mim, nu de avental. Até hoje nada. Ontem estávamos com uma boa chance para a minha fantasia numero 2, onde curiosamente nao entra o Ricardo A. Pereira, mas 10 homens das obras com barrete de Pai-Natal e o Bola bloqueou-me os movimentos. Só vos digo, este Natal realmente nao me está a sair nada de jeito. Alguém que me ponha a cloroformio para o resto destas festas, pode ser? É que se nao for assim, acho que vou passar a ir todos os dias ao mercado de Natal para repetir a proeza de sábado.

* verbo novo

ainda ha lugar na mesa, quem quer vir?

Estava aqui a pensar. Será que os bebés da Anne Geddes nao fazem cocó nem bolsam? É que estas fotos tao fofinhas e amorosas, que dá vontade de desatar já a parir como se uma lifetime nao chegasse para ter suficientes coisinhas fofas daquelas. Para quem nao sabe do que eu estou a falar, vao ao google e facam uma busca com o nome desta pessoa maravilhosa que tira fotografias de bebés em cima de malmequeres, coracoes e volta e fotografa sandes de bebés, que é como quem diz, uns em cima dos outros. Hoje vou ser anfitria para 5 colegas. Só meninas. O Bola é o cozinheiro, eu faco todo o resto que envolve limpar a casa, fazer a sobremesa, falar pelos cotovelos e decorar a mesa com aquelas coisinhas de gaja, toalha de organza, velas e tudo o mais que envie mensagens de natal. Entao o menú vai ser uma salada de alface, tomate, cubos de papaia, fiambre e rucola. A acompanhar, pao ao natural ou do outro que vou fazer com manteiga de alho feita por mim. É assim que eu avalio as pessoas, enfio-lhes com o meu pao de alho pela goela abaixo, quem normalmente diz que nao pode, nao gosta ou sei la que mais, deixa de ser uma pessoa interessante. Quem nao tolera alho, nao volta a sentar-se à minha mesa. Depois temos o prato principal que consiste em bocadinhos de frango, com lichias, pistacios e pimento vermelho num molho de leite de coco, erva-limao e caril. A acompanhar, arroz branco. Convém fazer um clássico, de que normalmente todos gostam. Como sobremesa, vamos ter um prato com um bocado de mousse de chocolate, outro bocado de baba de camelo e depois uns frutos ácidos em redor para cortar o doce. E é assim que depois deste gourmet, as minhas colegas me vao implorar para lhes emprestar o Bola por uns dias para ele cozinhar para elas. E se pagarem bem, podem alugar.

segunda-feira, dezembro 10, 2007

Hoje é o dia pelo qual já espero há dois meses quase. O Bola vai à entrevista de emprego e eu vou com ele, nao porque adoro ficar no carro à espera mas sim porque ali pertinho há um ikea, para eu onde eu posso ir passar o tempo. E nao me refiro aos móveis ou à roupa de cama, refiro-me às actividades para as criancas, que sao tao fiiiiiiiiiixes. Adoro ir para dentro do banho de bolas , nao me interpretem mal. Isto tem tanto de engracado (Bola- bolas) como de perverso (que tipo de bolas, ha?) Sao pequenas diversoes que nao tive em crianca. O problema é que às vezes me parece que os miúdos que lá estao - os meus companheiros da brincadeira - nao cheiram propriamente a pó de talco mas a cocó mesmo. E com meninos de fralda suja recuso-me a brincar. Especialmente se também cheirarem a chulé, pois aquilo é só pra quem vai descalco.
Como o Bola chegou a casa torto no sábado e, ontem à noite, esteve a ver futebol com o vizinho e marcharam mais umas quantas cervejas, aconselhei-o hoje a por bastante perfume, nao vao os poros dele desapontá-lo na entrevista e o seu odor a cerveja estragar aquilo que eu tenho vindo a arranjar com tanto cuidado. Nao me parece que se eu tivesse que entrevistar a alguem para emprego, a minha escolha fosse cair no gajo com perfume super bock.
Se a entrevista correr mal, afogo as mágoas no ikea, comprando daquelas coisas inúteis que nao fazem falta nenhuma, mas que normalmente no calor do momento, sao tao mas tao necessárias. Tipo um quebra-nozes.
Entretanto, sonhei com o Ricardo Araújo Pereira. Sonhei que era eu a gaja do anuncio do sapo, que bate à porta da casinha da montanha e quando ele diz o que tu queres sei eu eu, eu digo e sabes tu muito bem e atiramo-nos para o chao rebolando ao lado da lareira. Espero tao cedo nao voltar a chamar Ricardo ao Bola.

domingo, dezembro 09, 2007

contas conjuntas

Mal eu sabia que quando dizia que me ia emborrachar para o christmas market, estava a falar a sério sem saber. Aquilo é forte... deram-me a beber um punsch boneco de neve e eu de repente, já me ria por tudo e por nada, um sinal de que já nao estou em mim. Pois estar rodeada de gente chata e rir-me quando ninguem diz nada, quando nao ha nenhuma piada a pairar no ar, é sinal de que estou assim parvinha. Vai daí, penso que para evitar grandes confusoes, bora lá é pra casa que ainda só sao oito da noite mas já estas bem embaladinha.
O Bola seguiu caminho na direccao oposta com o meu vizinho de baixo, depois de me rapinar 40 euros na carteira. Mas pronto, isto dos casamentos é no que dá, os meus pais dao-me uma prenda mega-generosa de Natal e é dois dois, eu faco um 4 no totoloto e ganho 35 euros e também é dos dois, e o meu marido prepara-se para mandar abaixo umas quantas cervejas e também sai do dinheiro que é dos dois. O que vale é que eu posso ser um pouco materialista, mas nao sou muito picuinhas. Chateia-me mais ter de partilhar a cama com um bafo a álcool do meu companheiro de cabeceira, e o cheiro a fumo que emana dos seus cabelos, do que de vez em quando, afundar uns quantos euros em álcool. Pra esquecer as mágoas ou pra me rir forcadamente.
O problema foi que às tres da manha, decidi telefonar-lhe para saber onde ele andava, pois 40 euros nao dao para seis horas de bebida non stop.
- Bola, onde é que tu estás? Nao achas que já chega?
- Eu? Deixa ver... aaahhh, perdi o meu casaco. (diz um Bola embriagadíssimo, a arrastar a voz) Estou aqui a procurar o meu no meio de centenas deles, mas.. ahhh... eu preciso do meu casaco.
Como uma das licoes que já aprendi com ele das nossas saídas à noite quando nos conhecemos, é que nao vale a pena alimentar conversas com ele depois da 6a cerveja. Portanto, desliguei o telefone e disse que procurasse se quisesse, depois de eu ter ficado deprimida um fds inteiro com o preco do casaco, era mesmo bom que o encontrasse.
Passada uma hora, acordo outra vez e como o único corpo na cama ainda era o meu, voltei a ligar.
- Bola, o casaco? Continuas à procura?
- aaahh.. nao sei. Já devo ter visto uns 100 casacos mas há aqui milhares. Mas eu quero o meu casaco. Só me vou embora depois de encontrar o meu casaco. bla bla bla bla (várias frases desconexas, sempre a acabar com casaco nao sei que)
Desligo o telefone, fula da vida e enquanto me vestia AS QUATRO DA MANHA, pronunciei todos os palavroes que conheco em postugues, espanhol, alemao e ingles. Depois desci as escadas e a meio do caminho prá discoteca, vejo aquele corpo aos esses, olhos de quem ja nao sabe onde está, e lá comeca ele aos gritos do outro lado da rua eu quero o meu casaco, roubaram-me o casaco? Mas eu gosto tanto do meu casaco.
Eu queria ir la com ele e procurar eu, porque com a borracheira com que ele estava, é natural que tenha pegado dez vezes no casaco dele e nao o tenha reconhecido, mas o Bola ruminava que nao podia ser, que era preciso nao sei que e pronto, entrámos em casa e ele desatou aos murros à parede. Ah, valente! Os homens sao seres tao tristes às vezes... pra que dar um murro num bloco de pedra quando sabem que vao desfazer a mao toda? E depois pergunta-me se eu sei o quanto ele gosta do casaco. Saiam já dois pares de estalos.
Mandei o Bola ir comer um iogurte e nao aparecer no quarto a cheirar a copos e fumo antes de eu adormecer.
Quando era mais nova, acreditava que os gajos depois dos trinta ganhavam juízo. Se é pra isto, queria por favor devolver o gajo e se fazem favor, mandam-me um exemplar novo, sem mimos nem vícios. É Natal e tal...

sábado, dezembro 08, 2007

fora de época nao, obrigada

Alguém que diga por favor a este gajo com quem eu casei que eu nao gosto de fruta fora de época. Tudo bem que ele trazer do mercado todos os sábados metade duma papaia gigante, nao é propriamente chatear-me porque eu nao costumo, nem me habituei em crianca a comer papaia em altura do ano alguma. Mas cerejas em Dezembro? Quero lá saber se saodo Chile. Eu tambem nao como melancia em Janeiro. Sao manias, pronto. É como agarrar nas revistas e passar primeiro página por página sem ler nada, até ao fim e depois comecar devagar a ler de trás pra frente. Se eu acho que tenho estilo por fazer isso?? NAO! Sou assim, ó que gaita. Se eu gosto de chatear os outros com o meu humor por vezes cáustico? AH GOSTO. Agora apanharam-me, malandros.
Uma pequena nota de teor informativo. O Bola viveu em alguns países lá bem longe, onde a fruta tropical era a fruta nossa de cada dia. Por isso é que gosta de frutos esquisitos que eu nunca vi antes (carambola, ou star fruit, por ex.) e entao, ele gosta tanto de lojas de fruta como eu gosto de lojas de ferragens. Nao, acho que me enganei aqui. (mas será que eu tambem me engano?) Pronto, facam disso uma relacao inversamente proporcional, como todos aprendemos tao bem na escola.
Bom, de facto comi as 20 cerejas do Chile que nao me souberam a nada, porque estou constipadíssima. O que vale é que vou passar a tarde a embebedar-me com vinho quente no mercado de Natal pra esquecer este pré-estado gripal e já me estou a imaginar, depois de dez copos, agarrada a algum desgracado com mais de 60 anos, a chorar, a perguntar se tenho mesmo de ir passar o Natal a Moscovo. Resmas de pessoas que querem ir a moscovo nesta altura, porque é que me fazem ir a mim?

as verdadeiras prendas nao se compram, fazem-se

Já é o meu terceiro Natal pelos lados de cá, quer dizer, nunca cá passei os dias mesmo de Natal, estou-me a referir à quadra em si, que comeca logo em Setembro, nao é mesmo... eu adoro o Natal na Alemanha. Gosto das decoracoes, que nao primam por coisas como a maior-arvore-de-natal-da-europa, mas a quem é que isso interessa mesmo? As decoracoes cá comecam pelo mercado de Natal, passando pelas figuras que se vendem um pouco por todo o lado, na temática do quebra-nozes e tal. Depois temos as decoracoes que as pessoas fazem nas casas e nos jardins, que sao também muito giras sem ousar ostentar demasiado. Uma das coisas mais engracadas que o Natal de cá tem para alem de uma pessoa se embebedar no mercado com 3 chávenas de vinho quente, é a loucura desenfreada em se comerem, comprarem, fazerem os famosos Plätzchen, que nao sao nada mais do que biscoitinhos de Natal. Pequenos, de todos os formatos, com chocolate, massapao, avelas, nozes ou amendoas, etc. You name it. E há pessoas queridas, normalmente maes, vizinhas ou avós de alguem que fazem os ditos cujos em quantidades industriais e oferecem aos amigos. Numa caixinha de cartao ou metal. E isso é que eu acho giro, porque até agora comia os que a mae do Bola fazia, que sao excelentes e os que eu ia comprando nas pastelarias. (apesar de cá nao haver isso a que nos chamamos de pastelarias)Ate me comecarem a oferecer. Aprendi a gostar ainda mais dos biscoitos, depois de receber hoje do meu chefe um pacote com meio quilo só para mim, de todos os sabores e feitios. O pacote era de papel transparante com desenhos de Natal, em cima tinha uma fita que fechava o saquinho com um laco. E os biscoitos sao de facto, mesmo muito bons, muito variados, uns em forma de boneco de neve, outros em forma de coracao, outros com doce, com chocolate, massapao, etc. (manteiga?qual manteiga?) E percebi porque é que oferecer biscoitos num pacote feito por nós e fechado com um laco por nós, é sem dúvida uma prenda com muito mais significado. Apesar de vir do meu chefe, que acho que nem sabe para que serve uma concha da sopa. Mas foi a mulher dele. Isto inspirou-me e mandei um mail a duas colegas do Bola a dizer que ele andava excitadissimo porque ia passar o sabado na cozinha a fazer biscoitos para toda a gente. Elas adoraram a ideia e ele, só tres horas depois me mandou sms que continha tres palavras, que todas juntas nao compoem nada de afectuoso: ideias / tu / parvas. Eu respondi-lhe tambem com palavras soltas para ele construir a sua própria frase: este Natal / humor / tua / um bocado / prenda Depois do primeiro ano de casamento, há que inventar estrategias para manter a chama da paixao acesa. Eu gosto do sistema de dar palavras soltas. E o Bola sempre faz a frase mais depressa que os meus alunos. E sem erros, vá lá...

segunda-feira, dezembro 03, 2007

quando se abre a primeira, ja nao se consegue parar

Como muita gente sabe, na Alemanha é tradicao em Dezembro oferecer-se às criancas um calendário do advento, com janelinhas que correspondem aos dias de Dezembro desde o início do mes de Dezembro ate dia 24. Ora, eu nao sou execepcao. O Bola deu-me um calendário há uma semana atrás e eu andava mortinha por comecar a abrir as janelas. Sábado abri a janela de dia 1, saiu-me um chocolate de leite, ontem abri a segunda, um chocolate de amendoas.
Hoje, como fiquei grande parte do fim da tarde sozinha em casa, fui abrindo uma janela atrás da outra e quando dei por mim, já tinha comido até ao dia 20 de Dezembro. Quando o Bola chegou, há pouco, ficou indignado. (o dia nao lhe deve ter corrido bem)
- TU ABRISTE AS JANELAS TODAS!
diz ele horrorizado. Nao, desapontado, o que é muito pior. Eu fiz aquele meu ar de falsa culpa e perguntei-lhe à beira das lágrimas falsas se o Pai Natal achava que eu me tinha portado mal e já nao me punha nada no sapatinho.
- SE ISTO É PRA COMER UM POR DIA PORQUE É QUE FOSTE COMER AS JANELAS DOS DIAS QUE AINDA NAO PASSARAM? (espero q ele se ria pra me mostrar que esta a gozar)
Alto que algo se está a passar aqui, pensa Minhoca para com o seu fecho eclair (botoes nao tenho). Qual a resposta ideal neste caso? Isto incomodou-o mesmo. O Bola está fora de si porque eu violei o calendário do advento. Se eu nao der a resposta certa, ainda levo umas palmadas e vou de castigo para a despensa que nao temos. Pra isto ser hilariante, só faltava eu ter o queixo com borras de chocolate e pedir para abrir a janela de dia 21.
- Bola, tu achas que os miúdos que recebem um calendario destes, esperam todos dia após dia para abrirem as janelinhas? (confesso que me portei bem, só me ri por dentro)
Ele nao respondeu, mas a sua body language deu-me a entender que quando era pequeno esperava sempre. Os alemaes sao tao tristes, meu Deus, esta coisa de seguir as regras cegamente depois dá nisto. Ou no nacional socialismo. Ooops, alguem que apague isto. Um dia destes atravessei a estrada estando o sinal a dois segundos de passar para verde. Um tipo gritou do outro lado o preco da multa e ainda disse que o que eu estava a fazer era um crime. Mas crime era o que me apetecia fazer-lhe a ele. Só nao lhe abri o meu dedo do meio porque dei um mau jeito no dedo, num daqueles momentos em que estava a fazer scroll down que nem uma maluca. Nós temos olhos, ouvidos e cabeca para que? Vou ali ficar à chuva, num dia de Inverno plantada feita idiota, só porque numa rua onde nao se veem carros a 500 metros, o sinal ainda nao mudou. Bah. Era quem lhe desse com a vassoura.
Bom, mas algo me diz que para o ano nao vou ter calendário do advento. Nem coelho da Páscoa.
Que mau karma para este Natal.

doutor porque?

Será que alguem me consegue explicar porque é que as pessoas hoje em dia, em Portugal e só em Portugal, se continuam a tratar continuamente por doutores e engenheiros, quando na maioria nem sao doutores de nada? Nao se pode incluir no código penal que chamar de doutor alguem que nao o é, dá direito a multas avultadas e a que por cada 'doutor' pronunciado podemos enfiar a cabeca dessa pessoa na sanita e puxar o autoclismo? E mesmo quando se é doutor ou engenheiro, as pessoas nao deviam valer o que valem sem os títulos? Eu nao passo a respeitar mais a pessoa x só porque ela tem engenheiro/a no nome. Aliás, se há coisa que hoje em dia há para aí a pontapé sao engenheiros e uma elevada percentagem deles nem sabe escrever direito na sua língua materna, entao, alguem me explique o porque de tanta vénia? Se eu tiver síndroma bipolar, por exemplo, alguem se refere a mim a Sra Bipolar Minhoca?! Ou se eu for divorciada, alguem me poe divorciada no nome? Entao, porque é que andam a chamar doutores a pessoas que, a título de exemplo, andaram 3 anos numa escola superior de educacao e dao aulas de educacao física?! Porque é que o título é doutor e nao por ex, desportista? Porque é que nao passamos a chamar as pessoas pelos signos? Olha, vai ali a Minhoca Capricórnio ou o Bola Sagitário.
Eu confesso que este assunto me causa uma confusao enorme. Eu gosto que me chamem menina, as pessoas mais velhas chamam-me frequentemente menina e eu gosto. Gostava de saber quem foi o palhaco que comecou esta moda dos doutores que nao os sao. Quando o sô doutor é médico e tal, pronto mas no meu caso, ora vejamos, eu licenciei-me na Faculdade de Letras e apesar de nao trabalhar na área em que me formei, brinco aos professores aqui uma vez por semana. Alguém que me diga por que carga de água eu agora dava em doutora. Talvez se eu viesse duma aldeia onde fosse a unica que tivesse sentado o meu rabo bolorento num anfiteatro duma universidade. Sim, alias, parece-me que foi assim que tudo comecou.

acordar antes das oito pra isto

Diz o meu médico naturista (=homeopata) que as minhas análises estao boas, isto se nao olharmos para os valores vergonhosos da minha tiróide, que decididamente entrou em greve prá vida. Realmente, nao admira que mesmo nas fases em que como pouco, este corpo nao mostre grandes progressos dentro daquele meu plano idealista de recuperar a linha que eu ainda tinha em 2003. Disse-me para lá voltar daqui a duas semanas para vermos isso antes das Festas, e para entretanto me esforcar e nao deixar de tomar o medicamento nem um dia que seja. Aí logo decide se me aumenta a dose ou nao. Quando ele disse que nao sabia se me aumentava a dose, ainda atirei um ah, nao se preocupe que se a dose nao chega, eu vou à Holanda buscar mais, mas acho que ele nao precebeu a gracola e que boa que era, tendo em conta a hora tao matutina... é que às oito da manha nao costuma ser normal eu ter imensa piada. Nao costumo passar dum vegetal gigante, que só produz monossílabos e que era capaz de vender a família (comecando pelos primos, pronto, afinal tenho tantos) em troca de meia dúzia de minutos de sono extra.

a dor de nao se ter aquilo que nao se pode

A chuva que cai a menos em Portugal, cai aqui em demasia. Hoje vim para o trabalho debaixo de uma chuva horrorosa que desafiava a rapidez do meu pára-brisas e que só me fazia pensar num videoclip horroroso do Roberto Carlos em que ele fala de chuva no meu pára-brisas e dor no meu peito. É um videoclip em que chove imensa e o Roberto está triste. E como fica sempre bem num cenário de filme, uma pessoa ir a chorar enquanto chove imenso, eu achei por bem desatar numa choradeira só para sentir que o cenário pára-brisas/mau/tempo/chuva violenta estava todo ele em harmonia.
Esta chuva é uma grande caca, pois estraga o conceito maravilhoso do mercado de Natal. No mercado de Natal, estamos todos agarrados às nossas chávenas de vinho quente pois costuma estar neve e frio. A chuva estraga tudo. Dilui o vinho quente, no meu caso Kinderpunsch, pois sem álcool sabe melhor. O meu fds foi passando em estado de pré-depressao. Hoje em dia toda gente banaliza a palavra depressao, deprimida, etc, que eu prefiro primar pela originalidade e ficar na fase anterior.
Eu e aquele gajo alto com quem moro fomos ver apartamentos. Um deles era perfeito. Pela primeira vez, entendi que a palavra penthouse vai muito além dos títulos das revistas com títulos sugestivos das áreas de servico. Uma penthouse é uma casa de sonho. Toda envidracada, com dois terracos, numa zona privilegiada da cidade, com uma vista maravilhosa. É pena a renda ser um terco do que eu e o Bola ganhamos num mes. E a pensar na penthouse, entrei na pré-depressao este fds. E como se caracteriza uma pré-depressao na minha pessoa? Basicamente é nao sair de dentro do pijama e andar pela casa, passando demasiado tempo no sofá ou na cama. A única coisa que me fez sair de casa foi o mercado de Natal. Nao sei se já disse aqui, mas nao há nada que eu nao faca por um pao com salsicha. Ou acham que vim parar a este país por acaso...

domingo, dezembro 02, 2007

um pouco de materialismo nao faz mal

Ando há várias semanas a suspirar e a tentar cacar uma mala no ebay. Gosto de várias do mesmo designer. Desde que vi uma tipa com uma no aeroporto, quando estávamos as duas na fila para o check-in dessa companhia maravilhosa (?) que é a Iberia, que nunca mais parei de pensar nas malas. Porque hoje em dia acho tudo piroso, é raríssimo ver uma carteira de que goste. Até esse dia na fila do aeroporto, em que tudo mudou.
Das malas (e agora é que vem a publicidade descarada) George Gina & Lucy gosto de quase todas. Tenho andado atrás, por exemplo, deste modelo aqui. Até que hoje, o Bola bebericava o seu café e me diz com a sobrancelha levantada:
- Tu nao vais comprar essa mala, entao nao temos que poupar?
Como o Bola nao é nada de me dizer para nao comprar coisas, até porque em materia de prendas, para com ele, eu sou muito generosa, algo me diz que ele me vai oferecer uma GGL no Natal. Aí é que se coloca o meu problema, pois nao sei se ele vai acertar no modelo que eu quero ou, no caso de ele querer mesmo poupar e nao ter mala nenhuma para mim, fico a ver navios e bem posso dizer adeus a todas estas que tenho nos meus items observados no ebay.

sexta-feira, novembro 30, 2007

a mente que nao controla o corpo

Uma vez em cada tres meses, sofro dum ataque de hipocondríase. Mais tarde, consigo acordar do meu delírio, mas no momento, caio numa tristeza imensa, com um medo horrível de ficar doente com uma coisa grave e morrer quando ainda nao tive um filho, escrevi um livro ou plantei uma árvore.
A mente controla o corpo, dizem. A minha tem dias em que nao consegue. Caio no ridículo, mas é superior a mim. Depois, no meio de tantos possíveis cenários de horror, drama e desgraca, acabo por arrastar o meu rabo bolorento para o médico, até porque é já do outro lado da rua e dá tanto jeito. Ando desde Fevereiro com umas dores em torno do umbigo, tem dias em que a dor vem mesmo de dentro do umbigo, como se fosse possível o umbigo no seu papel de cicatriz, doer. É uma dor levezinha, na qual quase nem penso, mas sei que há vários meses que a adoptei e parece nao se querer ir embora, como que a lembrar-me que veio para ficar ou tao cedo nao se poe a andar. No meio do meu momento de melodrama e pena de mim mesma, digo ao Bola que nao me sinto bem e ele faz de conta que nao me ouve, como se tornou costume.
- Bola, sabes o que isto pode ser? Psicossomático! Relacionado com a recusa em nao querer abandonar o útero da minha mae. O cordao umbilical é o orgao que me ligava à minha mae e como mo cortaram, se calhar eu reajo agora assim por nao concordar com a separacao, por saber que nao consigo ser feliz para além da vida no líquido amniótico! É isso, é o desejo de regressar ao seio materno. Vou falar com a minha mae, pode ser que ela concorde.
Digo isto com um ar triunfante, com o mesmo ar com que provavelmente Einstein revelou pela primeira vez a teoria da relatividade. Felizmente o Bola nao me poe aquela camisa branca gira, na qual nao consigo mexer os bracos, mas aconselha-me a ir ao médico no dia seguinte, coisa que fiz. Só nao fui a um daqueles que comeca por psi.
Claro que quando la cheguei, o dr. Thomas fez aquele ar ó-nao-esta-gaja-outra-vez, mas eu nem lhe dei tempo para pensar em como me despachar depressa, comecei logo a debitar que já lá tinha estado em Maio e que ele me tinha feito até uma ecografia e bla bla bla e que uma dama nao pode ter tantos gases que provoque estas dores que nunca mais se vao embora. Afinal na Alemanha nem como castanhas. Claro que para ele nao achar que eu sou uma maluca completa, ainda fingi que tinha lá ido para controlar os valores da minha tiroide preguicosa e vai daí, ele sugere que a sua enfermeira brutamontes me sugue, para variar, 250ml de sangue para as análises do costume. Estava eu ja na marquesa com o fecho dos meus jeans abertos, a preparar-me para o toque das suas maos macias no meu abdómen, quando ele me diz por cima dos seus óculos, enquanto escrevinhava:
- Na, nao vale a pena. Isso nao deve ser nada, de qualquer forma, já que é pra tirar sangue vemos aqui mais uns valores.
Portanto, para quem esperava comecar o dia de uma forma um tanto quanto erótica, tive que me contentar com um comeco de dia mais pro masoquista, com os dois bracos picados e 250ml de precioso líquido a menos no meu frágil corpo de minhoca.

Gosto-me

Nao há nada mais maravilhoso do que ser amada sem saber. Pois entao, hoje foi o dia em que pus a boca no megafone e achei por bem dizer ao pessoal do trabalho que no dia de S. Valentim já nao vou estar por lá. Como ia dizer aos meus dois chefes, achei por bem comecar pela secretária do chefao, pois foi ela que no início da minha candidatura me foi dando as informacoes. Chamei-a à cozinha e enquanto mexia um pouco nervosa o meu café, disse-lhe:
- Maria, tenho que te dizer algo que já ando para te contar há alguns dias. Tu mereces saber antes de eu falar com o chefe.
- Hmm... deixa lá ver (olha para o meu baixo-ventre, com um sorriso malandro), o que é que uma miúda casada há pouco mais de um ano, entre os 20 e os 30 terá para me dizer? Diz-me ela feita toina, completamente à nora.
- Maria, eu nao estou grávida, se te pareceu, desculpa, mas o Inverno dá-me fome e descobri que se comer mais, nao tenho tanto frio. O que eu tenho para te dizer é que me vou despedir hoje.
Pois, o que fui eu fazer. O queixo dela ficou assim em forma de til e nao conseguiu esconder as lágrimas, que foi limpando com o canto de um lenco de papel. Ficou muito calada e pensativa, a tentar organizar os seus pensamentos (ó que perda), mas depois entrou na fase da negacao, que foi quando me agarrou nas maos e me disse nuns décibeis acima do desejado que se eu ainda nao tinha assinado o novo contrato, ainda havia algo a fazer. Que eu devia pensar melhor, etc, etc. Que todos gostavam tanto de mim, que eu me entendia na perfeicao com toda a gente, bla bla bla. Fiquei sem saber o que fazer. Depois de ver que ela lá se resignou com os meus motivos, encaminhei-me para a porta e foi aí que ela me disse algo que ouvi depois mais duas vezes da boca de cada um dos chefes:
- Nao é a perda do teu trabalho, é a perda da pessoa que tu és e da alegria que nos trouxeste.
Chuif.
Ou seja, descubro numa altura destas que ninguém vai sentir falta do meu trabalho. Será o meu trabalho uma grande caca?
Bom, uma coisa deu para sentir hoje. Sou amada. Gostam de mim, consta. Até eu própria hoje passei a olhar para mim doutra maneira. E gosto mais de mim.

terça-feira, novembro 27, 2007

mas alguém ainda se lembra dela?

Duas coisas me ocorreram hoje. A primeira nao é mais importante que a segunda, mas o carácter de cada uma é bastante divergente. Uma dessas coisas que me ocorreu hoje enquanto descascava as minhas tangerinas ao almoco, foi comecar já a dizer ao pessoal para mandar as suas sms de Natal hoje mesmo. Porque é que havemos todos de entupir as linhas e de provocar aquela catástrofe na véspera de Natal, porque todos os desgracados guardam para a hora do jantar a troca pirosa das mensagens a desejar feliz natal??? Porque nao comecar já? E porque nao mandar antes um mail ou um postal verdadeiro, escrito a caneta bic? Serei a unica que ainda manda postais dos verdadeiros?
A segunda coisa que me leva a escrever este post é uma questao que me inquietou a manha de hoje. Mandei um mail a todos os meus colegas aqui do trabalho a perguntar qual é o cao mais famoso do mundo. Ninguém respondeu Snoopy. Todos responderam Lassie. Quando decidi mandar o mesmo mail ao Bola, apercebi-me com a resposta dele que o seu problema de ortografia já vem desde muito cedo. A resposta dele foi lessi. E eu chorei.

A neve inspira-me.

Da minha janela, alias, das várias janelas que tenho em volta da minha secretária, tenho a perfeita visao dum dia de sol, ceu azul e muita neve. O meu local de trabalho hoje proporciona-me quase a participacao directa no meio dos flocos. Gosto de ver a neve a cair e seguir com o olhar o percurso de um floco, até que derreta, assente no chao ou se funda com mais uns quantos. Por detrás do que mais parece uma tempestade, ainda que controlada, vejo várias árvores, todas alinhadas e com os ramos levantados para cima, como se tivessem sido todas escovadas por um pente gigante que com os dentes, lhes arrancou as folhas até à última. Na altura em que o sol se poe, fica um jogo de cores engracado e olhar para as árvores com os ramos levantados e nus, faz-me lembrar os desenhos que costumo fazer em reunioes ou quando estou a apanhar seca. Várias linhas a lápis tortas e todas na mesma direccao. No meio deste cenário invernoso, algo destoa. O cantar dos pássaros. Nao combina. Perturba-me até. Por isso mesmo, abro a minha gaveta, retiro a minha fisga que guardo desde a quarta classe e faco pontaria ao ranhoso que está a estragar este quadro maravilhosamente invernoso. Toma lá que já almocaste. A neve inspira-me.

sentimentalismo barato

Tenho, entre muitas outras imagens (daquelas que incluem o palhaco batatinha), uma que me ficou de crianca, da minha mae no quarto dela, a espreitar por detrás da cortina enquanto choramingava silenciosamente. Do outro lado da rua, cá em baixo, estava o meu pai com um senhor, que tinha acabado de lhes comprar o carro que eles tinham tido durante alguns anos e que tinham trazido de Africa. Um Datsun, modelo nao sei. Ora, a minha mae certamente que queria um carro melhor, mas estava habituada àquele, tinha certamente uma série de lembrancas acopladas ao mesmo, algumas delas que eu espero nunca vir a saber. Os nossos pais sao puros e se fizeram marmelada algum dia, foi daquela com marmelos mesmo, que se faz no Outono e ao fogao. Daquelas lembrancas que sei, imagino por exemplo, o meu vomitado das idas à Covilha talvez ainda presente nos estofos, as viagens até ao Algarve com o rabo quase a arrastar no asfalto ou das emboscadas que eles faziam quando ainda viviam em Mocambique e se podia conduzir, como eles contam, sempre a direito. O carro preparava-se para partir, levando com ele uma bagageira cheia de recordacoes. Nao é um tema que nos surpreenda, nós mulheres, temos muito esta tendencia melodramática de colocar valor sentimental em quase tudo. Até nos cactos. Quantas de nós nao suspiram por terem que se desfazer duma t-shirt de tao velha que está, mas que foi nessa mesma t-shirt que aquele gajo giro me despejou o seu copo de cerveja na queima das fitas de 1989.... qualquer coisa assim.Pois. Tanto para dizer que agora que chega a altura de sair desta cidade parola e provinciana, comeco a sentir-me como a minha mae atrás do cortinado a olhar para o carro. A unica diferenca é que eu nao tenho um objecto físico onde colocar o meu sentimentalismo barato. Eu quero ir, mas tenho óptimas recordacoes deste sítio aqui no fim do mundo. Foi onde eu e o Bola juntamos os trapos e onde passámos a partilhar a nossa vida a dois. E recomecar num sítio novo tem tanto de excitante como de difícil. Quero, mas dá trabalho.

segunda-feira, novembro 26, 2007

feliz Natal a mim

Para que comprar na loja e pagar o dobro quando se tem o ebay aqui tao perto? Um dia destes ponho um post sobre os malefícios desta sociedade de consumo em que vivemos. Mas nao vai ser hoje.

domingo, novembro 25, 2007

branco, nos telhados, no chao, pela boca e olhos adentro

Um fim-de-semana em branco nao é nada do mais romatico que se possa imaginar, mas tem sido assim. Hoje por cá houve mercado, onde se vendem as tradicionais coroas de advento. O primeiro advento é já no próximo domingo e toda a família alema que se preze, tem de ter em casa a sua coroa feita com ramos de pinheiro e 4 velas e mariquices, uma para acender cada domingo, até ao Natal. Como a minha família alema nao se preza e eu e o Bola nao passamos cá o Natal, marimbamo-nos um bocado para essa tradicao. Em vez de andarmos atrás da coroa mais perfeita, agarrámos no cao do vizinho e fomos levá-lo a passear para ele treinar o seu faro e ver se é desta que debaixo do manto de neve, ele descobre um cadáver. Estou por tudo para aparecer no jornal local, antes de me ir embora daqui. Mas infelizmente, ele vai esburacando mas só desenterra bocados de pretzel ou lencos de papel com ranho congelado.
Amanha vou entregar a minha carta de demissao. Tenho andado a adiar, a fingir que nao é preciso tratar disso . Alias, nao é preciso tratar disso . No meu contrato diz que tenho de informar o chefe 4 semanas até ao final do mes. Isso seria no final de Dezembro. Mas, o que me impede de dizer já?
O Bola vai finalmente ter uma entrevista para a mesma empresa, ou nao atingisse eu quase sempre os objectivos a que me proponho. E este era um daqueles que eu queria muito atingir. Claro que ele prefere pensar que esta entrevista veio por obra e graca do Espirito Santo, prenda de Natal adiantada, pois aceitar que eu é que lha arranjei nao lhe permite continuar a viver como homem. E eu nao digo nada, se há coisa que eu nao gosto é de danificar o amor-próprio das pessoas de quem gosto. E do Bola até gosto, nao é? Ele aspira a casa ao fim-de-semana, carrega com os sacos das compras, enche o depósito do carro e, à noite, antes de adormecer abraca-me e chama-me fofinha, ou em dias de muita graca, anao chato (Nervzwerg).
Entretanto, como parece que está a dar na televisao As palavras que nunca te direi, acho que vou ver para depois mandar umas marradas na parede, que é o que dou comigo a fazer sempre que vejo um filme ou leio um livro do Nicholas Sparks, esse chato lamecholas que poe meio mundo a chorar com os livros dele. Nao há pachorra. Mas como tambem eu gosto de escrever mensagens e as mandar por garrafa, acabo por ir ver o filme sempre que dá. Mas que espancava o Nicholas se me deixassem, ai isso espancava. Ah, e nunca é demais referir que sempre que vejo o sorriso do Kevin Costner, passam-me as dores se as tiver, sinto-me de repente a levitar, até parece que pus uns óculos cor-de-rosa.

terça-feira, novembro 20, 2007

Como foi possível?

que estando uma semana em Lisboa, nao comi pastéis de Belém, aliás, o único pastel de nata que comi foi com pouco apetite, sentada na abafadíssima cafetaria do hospital da CUF Infante Santo?
Sacrilégio. Chuif.

uma pessoa melhor

Ao longo destes primeiros dias, depois de uma semana fora, vou encontrando sinais da República das Bananas em que se tornou este chiqueiro, vulgo, minha casa e do Bola, na minha ausencia. Como ele me disse que passou muito a ferro e eu vi coisas passadas a ferro que eu nunca devo ter passado na vida, imaginei que ele se pudesse ter entusiasmado com maratonas de engomanco, mas perguntei contudo, meia desconfiada:
- Bola, meu anjo, entao o monte pra passar desapareceu? Passaste tudo? A tua vida foi assim tao insignificante na minha ausencia? Nao respondas, se fazes favor. Quando eu esbugalho assim os olhos, já sabes que é pergunta retórica.
Vai daí, o Bola que desta vez nao estava a a comer rabanete, mas sim a treinar para o concurso espontaneo o-meu-arroto-é-mais-sonoro-que-teu a tomar lugar na nossa rua, chamou-me e eu segui-o, como gosto de fazer sempre que o meu senhor e comandante me faz sinal para ir atrás dele. Porque uma boa esposa obedece ao seu marido.
E foi assim que atrás do sofá que o Bola teve a amabilidade de arrastar, fui encontrar uma bola gigante de roupa que o Bola enrolou, porque nao queria que as visitas que cá teve no fim-de-semana vissem. Esta visao foi um pouco horrenda, até pensei em qual das Bolas mandar um biqueiro, mas tentei controlar-me, pois nao sei se já disse que iniciei o programa pessoal COMO ME TORNAR NUMA PESSOA MELHOR. Este programa assenta no propósito de pretender eliminar o queixume da minha pessoa. Pois diz que é constante. Nao mando vir, nao me chateio, tudo é cor-de-rosa. Bom, pelo menos tem de parecer que é. E isto vai durar até ele reparar, portanto, podemos dizer que vai durar para sempre pois se eu circulasse nua pela casa, acho que ele nao dava conta. O Bola é um gajo muito metido pra si mesmo. Para eu me fazer notar, tenho de gritar ou saltar à corda, pois como sao coisas que provocam vento, ele costuma notar.
Para vos dar um exemplo como estou a fazer grandes e maravilhosos progressos, quando dei conta que a minha roupa interior mingou para o tamanho da Barbie (que até agora nao tinha roupa interior, mas já vendi a ideia à Mattel depois deste incidente), comentei que até via isso como um incentivo, para querer emagrecer. Quando vi o lavatório da casa-de-banho cheio de pelos da maquina de barbear, nao explodi e disse que gostava muito de ter uma casa-de-banho com ar de que é usada, pois as casas que parecem museus nao sao nada o meu estilo. Quando reparei que a roupa da cama nao era mudada há tempos sem fim, disse que assim era bom porque notava-se que ele queria dormir com o meu aroma nos lencois.
Portanto, estou-me a tornar numa grande hipócrita, é o que é. Mas tudo para ser uma pessoa melhor. Que eu sei que vou ser. Basta acreditar.

mas que terca-feira sem sal

Hoje tive formacao sobre seguranca. Seguranca relacionada com a internet, com os computadores, telemóveis, pessoas estranhas dentro da planta da empresa, etc. Fiquei a saber que o site proibindo mais visitado é o ebay, que nao devemos instalar software sacado da net, que nao podemos usar a net pra fins pessoais, mas que se o fizermos nunca em momento algum, ir parar a paginas pornograficas ou de teor racista. Caso isso aconteca, podemos comecar a escrever a carta de demissao. Fiquei tamabem a saber que devo andar com o meu cartao de identificacao à vista e sempre que há visitas, acompanhá-las sempre, nunca as deixando sós, só quando forem urinar ou cocar os testículos. A parte mais gira foi quando o tipo la nos mostrou o seu programa de descodificar passwords. Foi aí que concluí que nesta vida, há que tentar conduzi-la de forma limpa, sem segredos. Estamos sempre a ser observados, o que pra mim nao é nada de novo, pois a minha vida de estrela já me vincou isso bem.
Marcam-me isto depois de já lá estar a trabalhar há sete meses, quase oito, sinceramente, a eficiencia alema é mesmo um mito. E esta paranóia de que toda a gente quer vir à nossa empresa roubar os desenhos das máquinas, que a concorrencia nos persegue, tambem me pareceu um bocado exagerada. Como se entrar alguem estranho e gamar um notebook fosse algo que já tivesse acontecido... e depois eu é que sou a tal da mania da perseguicao.
Bom, comeco com o novo emprego dia 1 de Fevereiro. Pedi para adiar um mes o tao belo inicio. As razoes que enunciei nao digo, nem perante situacao iminente de tortura. Nao se faz, mas eu preciso de tempo e uma miúda, desde que nao atrapalhe terceiros, tem de se servir dos meios que tem ao seu dispor para atingir os seus fins. O nariz do Pinóquio, portanto, neste caso. Eu e o Bola já estamos na fase em que sublinhamos os classificados atrás de apartamentos. O preco das rendas nao é muito divertido, mas podia ser pior. Rendas escandalosas há em Munique, portanto ainda nao é preciso espumarmos pela boca só porque um apartamento de 85 metros quadrados fica em 600 euros por mes. É o preco do glamour.
Esta manha baldei-me ao curso de espanhol. Por acaso, gosto imenso do curso. Mas dormi mal, tive uns sonhos estranhos. Entre eles, um sonho em que o meu pai vinha ter comigo e me pedia para o ensinar a por rouge nas macas do rosto. Ora bem, isto interpretado nao traz nada de normal, pelo que se calhar nao era má ideia deixar aqui bem claro que nunca vi o meu pai usar maquiagem. Alias, sempre foi mais ou menos contra, por achar que as mulheres devem ser bonitas ao natural. As feias que se atirem da ponte. (isto acrescentei eu) Portanto, deixei-me ficar na cama, só me levantei um pouco antes das oito para ir por um ticket no carro, pra nao levar outra vez com uma multa. Claro que sempre que faco isto, vou a fazer figas para que nao apareca na minha rua ninguem que me conheca, porque o meu aspecto é totalmente casal ventoseiro. Os olhos vao fechados, o meu cabelo rebelde e desordenado que agora pior fica porque o tenho bem curto, e calcas de pijama com ursinhos, com botas, casaco polar e sobretudo por cima. Numa mao levo uma moeda de 50 centimos e as chaves e na outra, a minha almofada com que durmo e para onde me babo toda. Um dia, quando for famosa, ainda vai aparecer na Hola uma foto minha nestes preparos e aí posso esquecer o mundo da fama que me foi prometido pela astróloga Maya.
Nao fui à aula de espanhol, mas uma colega mandou-me os TPC por correio interno. Quando retirei do envelope uma folha A4 com uma foto que é suposto eu comentar em que aparecem 3 vacas, dois agricultores e um monte de feno, achei que era uma gracinha de alguma delas, tadinhas, alemas, sem humor nenhum, especialmente da parte da manha. Mas nao. Posso dizer coño as vezes que quiser mas diz que tenho de escrever uma história, a partir desta foto. Portanto, acho que vou ignorar as vacas (afinal, andam tantas à nossa volta que infelizmente nao podemos eliminar) e fazer uma história com o casal de agricultores a enrolar-se no feno. E em espanhol, ah pois nao. Para poucas vergonhas, usemos a língua desses dominadores que vivem ali ao lado. É por estas que nao devo ter pena por a partir de Fevereiro deixar de ir ao curso e enfim, ter de o pagar do meu bolso nao vai ser giro, mas nem tudo sao rosas, nao é...?

domingo, novembro 18, 2007

desta vez o destino foi Lisboa




Estava-se lá tao bem

A minha viagem de regresso de Portugal costuma ser sempre pautada por sentimentos contraditórios. Venho chateada, a tentar manter-me controlada, ocupando a cabeca com a razao que me faz viver aqui nas salsichas. Imagino o Bola num quadro cor-de-rosa, com estrelas, lacos cor-de-rosa e muitos passarinhos à volta. É mais ou menos uma imagem correspondente a outra da minha infancia, da Branca de Neve... ou será do Bambi? Depois a páginas tantas, passa-me a tristeza e conformo-me com a minha vida por cá. A dois. Isto tudo se processa a caminho do aeroporto e dá mais ou menos até eu entrar no aviao. À chegada, volto a ser invadida pela sensacao o que-é-que-eu-estou-aqui-a-fazer-eu-hoje-estava-num-país-com-sol-e-mar, e quando me dou conta do manto branco que cobre o aeroporto, a minha fúria tende a aumentar. Depois temos a fase da negacao que costuma durar dois dias. Espero que me passe até amanha. Nao ajuda quando o meu corpo se deprime sempre que regresso. Desta vez fiquei constipada no próprio dia e surpreendentemente depois de duas doses de ibuprofeno - passo a publicidade - foram-se os sinais todos embora, ficando uma voz mais sexy, mais rouca, da qual confesso até gostar mais. Pois é, estou de volta e diz que é pra ficar. Como o mau tempo que finalmente chegou a Portugal. eheheh

atraso de vida

A verdade é que estes dias de férias nao foram dias em que tenha dormido muito, que é normalmente algo indissociável do meu conceito de férias. Ontem de manha, sentia-me como se tivesse vindo trabalhar de directa. Acho que tomei banho e vesti-me de olhos fechados, o que nao é problema para mim, pois diz que tirei vários cursos através do CEAC, incluindo o de Braille. Ao fim da tarde, quando me lembrei que tinha aula de ingles, nao achei graca nenhuma mas ainda me arrastei até lá, até porque a escola fica a dois minutos de casa. Quando cheguei à sala, pensei que estava noutro filme, quando vi um gajo sentado que era do meu curso do semestre passado e que tinha avancado para o nivel seguinte (na altura, para grande alívio meu) ao nível que dou agora
- Entao, voce nao estava no nivel B?! Desistiu?
- Desculpe aparecer assim quando o curso já vai a meio, mas eu nao gosto muito da outra professora. Gosto mais de si porque consigo aprendo e ainda me rio e normalmente é difícil ter as duas coisas juntas.
Claro que há várias formas de interpretar isto. Mas seja qual for, é agradável. Menos agradável é o gajo. É um cromo daqueles que nao existe em todas as cadernetas. Da minha, pelo menos já tinha saído. Costumava ir para a aula exalando aroma a cerveja, pois sai mais cedo do trabalho e vai ali para um bar perto da escola fazer tempo até que comece o curso. Depois parece-me que o álcool lhe dificulta ainda mais a passagem da informacao mais simples, o que faz com que ele interrompa a aula várias vezes com perguntas que me parecem desnecessárias, assim por exemplo o significado de uma tarefa read and write. Depois de explicar-lhe o significado de read e write, ele continua baralhado. Eu tento fazer das minhas aulas quase uma conversa de café amigável, em que falamos todos. Com este gajo, o diálogo encerra-se em nós os dois, porque ele é mais absorvente que uma fralda lindor. E nao é nada vantajoso já ter feito o curso, pois ontem fez-me as mesmas perguntas de outrora. Como é que me livro do cromo?

Porque nem todos podemos ser lili canecas

Hoje comeco este post e uma nova semana (é fantástico comecar uma semana quase no fim, hoje sinto-me em modus operandus terca-feira) com um assunto que interessa a todos nós. Fruta e legumes enrugados. Terao direitos? Deixaremos de os comer por isso? Nao, meus amigos, claro que nao. Uma maca ou uma cenoura, só porque estao enrugadas, nao é razao para as atirarmos para o balde do lixo. Enrugadas ficam as nossas maos quando passamos uma hora no banho, na nossa sauna caseira. E enxovalhamos o nosso dedo mindinho só porque ele fica com mau aspecto? Se isto fosse tao profundo como o que ouvimos na RFM, eu rematava com um vale a pena pensar nisto . Sendo que nao, acho que nao vou por aí. Comam a fruta enrugada. Mesmo se os vossos maridos vos disserem que nao se come fruta velha e atirarem com um quilo de cenouras para o balde do lixo biológico.

sábado, novembro 17, 2007

cheguei mas acho que me vou ja embora de novo

Ainda bem que regressei, alias, foram estas as palavras da sanita logo mal me sentei nela. O Bola realmente é um gajo alto, mas acho que podia olhar a sanita mais de perto, nao digo olhos nos olhos, mas dar assim uma espreitadela dia sim dia nao, e apreciar as suas belas cores. As belas cores podia tambem aprecia-las na roupa que lavou e tingiu.
- Lavei duas máquinas de roupa, tambem nao sou assim tao incompetente que nao posso lavar roupa de vez em quando, sabias.... nao, nao sabia! Claro que ele nao pode lavar roupa. Até há uma semana atrás, havia uma proibicao para tal efeito, carimbada e reconhecida pelo notário. Primeiro, porque temperaturas abaixo dos 60 graus sao-lhe desconhecidas e depois porque na festa da máquina de lavar que ele organiza, vai tudo, nao há descriminacao, camisolas de la podem namorar com cuecas, meias e toalhas. Para que diferenciar? Haja a igualdade dos tecidos! E viva cuecas que certamente agora só vao servir à Barbie.
E depois diz-me com este ar de cromo, enquanto dá trincas num rabanete (em Bayern, comer rabanete é culto)
- Vieste um bocado chata, pá. Só mandas vir. Nem reparaste que limpei a cozinha... que pena que nao dava para reparar. Só reparei que movimentar-me na cozinha foi difícil dado que os meus pés se colavam ao chao de tao peganhento que estava.
Amigos, sabem que mais..., é bom estar de volta. Comer rabantete à trinca, sinceramente...

terça-feira, novembro 06, 2007

tá no ir


Malta,

Vou ficar mais ou menos uma semana sem por aqui grandes postas. Diz que vou uma semana comer uns pasteis de nata, apanhar um bocado de sol e nao fazer nenhum. Vou sugerir ao Bola que poste ele durante a minha ausencia para combater o vazio, mas nao sei se ele vai nisso.

sábado, novembro 03, 2007

há um ano atrás nao se estava mal


Estiveram uns dias fantásticos de sol, dei de comer aos esquilos do Regent's Park, enpanturrei-me de soft baked cookies do Sainsbury's, andei a regatear precos no mercado em Camden e borrei-me de medo de me enfiar pelos tuneis do metro, de tao fundos que sao. Depois devo-me ter borrado mais vezes, por ter andado 5 dias a comida indiana, mas isso nao é importante. Foi isso. Gostei muito de Londres, a minha carteira é que nao.




Aeroplano

Eu tenho até dia 12 de Novembro para pensar se aceito o novo emprego ou nao. Mas hoje quando dei comigo a ensaiar o discurso da demissao para com o meu chefe, apercebi-me que a minha decisao inconscientemente já está tomada. Desde há uma semana que recorto anúncios de casa para alugar em Regensburg. Desde que o Bola me disse que nos podíamos mudar para lá, mesmo sem ele ter lá emprego, acho que foi aí que decidi que se já tivesse o contrato nas maos, o assinava. Com caneta de tinta permanente, que vou comprar para o efeito. Porque de vez em quando há que ser solene. Tal como com a minha camisa branca, a tal que só levo a entrevistas. A minha camisa da sorte, que me dá sorte sem ter de a desabotoar.
A generosidade do Bola deve-se ao facto de ele temer que eu passe tanto tempo na estrada, ou talvez à satisfacao de ter tido o chefe a polir-lhe o ego ontem à tarde, terminando com um bem merecido aumento de 12%.
A nossa vida em Weiden nao tem sido má, tudo comecou no ano de 2004 bla bla bla bla (bom, quem está com sono pode parar aqui)........................ aliás, eu até só uma mocinha de cidades pequenas. Detesto ter de andar de metro ou comecar a manha muito mais cedo do que a hora a que efectivamente comeco a trabalhar. Gosto de ver as mesmas pessoas na rua e de cumprimentar a senhora do cinema, da loja da fruta, do sapateiro. Mas isto num contexto de gente normal. Ora em Weiden, a populacao parece ter sido resultado de más experiencias com genes. Ou entao é a industria farmaceutica que poe esta gente totalmente anormal. Quando vou ao supermercado, volta e meia comeco a olhar em meu redor, em busca das camaras, pensando sempre no Truman's show. Hoje ia jurar que vi uma luzinha vermelha por trás duma lata de raviolis maggi. Haverá alguem a controlar as nossas accoes, para ver como interactuamos rodeados de aliens? Seremos nós também já tao anormais que nao queremos admitir? Bom, essa e outras perguntas (por ex. porque na Alemanha só se vendem nabos em Novembro) ficam para momentos mais adequados.

Para terminar este post, queria dizer que depois de tantos anos a resistir, vi ontem o filme do ano que eu nasci AEROPLANO e fartei de me rir. Será um sinal que estou finalmente ao nível do humor dos alemaes?

quarta-feira, outubro 31, 2007

thumbs up

Ontem quando me preparava para deixar tudo arrumadinho na minha secretária, comecei a receber telefonemas de colegas a pedir isto e aquilo. Eu olhava para o relogio mais do que uma vez por minuto e só me vinham à cabeca palavras feias em alemao. Até há bem pouco tempo, eu dizia asneiras na língua materna. Nao percebo. Cinco minutos antes das quatro, lá saí sem o casaco vestido, com tudo pela mao, a andar quase a correr, em direccao ao Bola que estava à minha espera para me levar a Regensburgo.
A segunda entrevista correu tao bem como a primeira, há que dizer. Como Minhoca prevenida que sou, levei o currículo do Bola na minha carteira, afinal nunca se sabe... e com algum jeitinho da minha parte, passados 20 minutos da entrevista em que eu já tinha a parte que me cabia, já estava o currículo dele em cima da mesa a ser analisado pelo meu interlocutor, o tal que quer muito que eu vá trabalhar para a empresa deles. Afinal ele já me disse tres vezes desde que nos conhecemos gostei muito de a conhecer, acho que tem o perfil perfeito para o lugar. Eu também quero ir, mas dava muito jeito que o Bola também tivesse trabalho na mesma cidade, nao sei se estao a perceber.
- Eu se pudesse, decidia já, mas sabe, há o meu marido e enquanto ele nao tiver emprego na mesma cidade, nao sei se estou disposta a percorrer tantos quilómetros diariamente.
Nisto, faco aquele esgar de quem tem mesmo muita pena e menciono que por acaso, o Bola até já se candidatou mas que ainda nao lhe tinham respondido.
Bom, daí até ele ter, de facto, mostrado algum interesse no currículo dele e a me ter prometido chamá-lo para entrevista foi mais rápido e nem falei mais nos números. Afinal, a possibilidade de o Bola ter uma entrevista para emprego representa para mim muito mais do que o dinheiro. Já lhe telefonou hoje a pediu-lhe um resumo do trabalho dele de agora. O Bola ficou contente, mas infelizmente ainda é muito orgulhoso para admitir perante terceiros que é a sua self-confident Frau que pela segunda vez comete o atrevimento de lhe arranjar emprego. Nao vou dizer que nao me chateia ver que ele tem problemas em admitir isso, mas vou fingindo que nao conta. Deve ser coisas de macho, além disso isto é tudo Europa, mas esta terra nem é a minha. Mas dava jeito poder dizer ao meu actual chefe que a culpa é do Bola, quando me for despedir. Que ele é que decidiu irmos embora. Assim eu já podia dormir de noite por estes dias. E nao sonhar com coisas estúpidas, como por exemplo o Bola a pedir-me tampoes por estar com o período. Juro. Foi horrível.

segunda-feira, outubro 29, 2007

momento da verdade aproxima-se e minhoca só procura um buraco na areia

Sexta-feira depois das quatro da tarde, diz-me o meu chefe que gostava que nos reuníssemos na segunda-feira às cinco da tarde, única hora a que lhe dá jeito, para discutir uns assuntos relacionados com o site da empresa, que eu fiquei de abrilhantar. Como explico eu ao meu chefe que na segunda-feira, exactamente a essa hora, tenciono estar em Regensburgo, na segunda entrevista para a empresa para onde poderei eventualmente dar de frosques? Pois, nao explico. Portanto, meto o rabinho entre as pernas e digo com o meu sorriso profissional e ciente do dever, que sim, que lá estarei. Desmarco a entrevista e hoje às cinco da tarde, lá estou, sentada na minha secretária à espera que ele me diga que fica para outro dia. E assim foi. Eu mordi a língua várias vezes e procurei uma almofada para abafar os meus gritos de frustracao, pois eu já sabia que isto ia acontecer. Em vez disso, fui à casa-de-banho e improvisei a minha própria almofada com 4 rolos de papel higinénico. Ainda bem que nao havia laminas por perto. Já foi bom nao ter enfiado o piacaba pela garganta abaixo. Em momentos de frustracao, muitas vezes a auto-flagelacao é a unica resposta.
Amanha espero nao me lixarem os planos, pois até dá jeito desmarcar uma vez para mostrar que até nao estou muito interessada, mas fazer isto duas vezes pode nao ser boa ideia. Até porque depois da primeira entrevista em que me disseram ligamos-lhe daqui a duas semanas, e me ligaram 16 horas depois, convém aproveitar, pois o meu horóscopo anunciou que 2007 era um ano de mudancas. Pelos vistos que se prolongam até 2008.
Tomar uma decisao destas nao vai ser simples. E pensar que fico meia hora numa drogaria indecisa a pensar qual o sabonete líquido para as maos que vou levar. Alguém que me de dois pares de estalos, por favor.

Depois das oito


O abrir de uma caixa de after-eight é para mim um ritual, assim como é para o Bola agarrar numa manga, fazer-lhe festinhas, cheirá-la etc, até ao momento em que a corta. Eu só como after-eights vindos do frigorífico. Quando abro a caixa, levanto aquela folhinha de cima e cheiro-os todos, como se o meu nariz estivesse a tocar uma escala nas saquetas individuais, como se estas fossem as teclas dum piano. Duma ponta a outra. Depois, retiro o primeiro, partindo-o muito devagar ao meio, para ver como o recheio de menta se separa no meio. O primeiro como-o sempre assim, uma metade depois da outra. Os seguintes como inteiros, em silencio, para poder ouvir o som do chocolate a partir-se na minha boca. E como devagar. Normalmente, sou do tipo alarve que nao mantem doces muito tempo. Quando um chocolate se abre, há que acabá-lo o mais rápido possível. Com os after-eights nao há pressa, passo uma semana a ir aos saltinhos buscar ao tres ao frigorífico depois do jantar, comendo-os muito devagar. É um momento tao especial para mim que até já pensei em colocar uma roupa própria só para esse momento. Algo em verde. O facto de os comer depois das oito da noite é coincidencia. Obrigado, Pai e Mae por me ensinarem a apreciar tudo o que esta vida tem de bom.
Na próxima semana falar-vos-ei do drama dos Maltesers, que cá nao há.

sexta-feira, outubro 26, 2007

Para a Sónia

dona do blog Cromossoma X, que é uma das minhas leitoras mais assiduas, tem um sorriso encantador e apresentou-me a este tune fabuloso da amy, que já está no ipod, no radio do carro, cozinha, em todo o lado:

um dia vou pra lá morar

Se me deixassem, eu dava de frosques para o Brasil. Às vezes, a sonhar acordada, imagino que um dia vou para lá viver uns tempos. Depois vou visitar Cuba, a Argentina, a Venezuela e o Chile. Gosto dos sul americanos. Especialmente do Brasil. Gosto do temperamento. E como nunca lá fui, acho que isto tudo pode ser um grande misto de curiosidade e o facto de nao me conseguir habituar muito ao tempo gélido aqui das salsichas.
Mas, acima de tudo, gosto muito do facto de o meu grupo de países no trabalho ser a América Latina. Às vezes, até me esqueco que eles sao todos nossos clientes e nao colegas. O meu colega do Brasil pergunta-me várias vezes se eu nao quero trocar. Se pudesse, acho que trocava mesmo por alguns meses. Entretanto vou comprando os serenata do amor em Portugal quando la for e saboreando as mangas brasileiras de olhos fechados.

the only one who could ever teach me

...was a son of a preacher man. Tenho de confessar que a tema do Chris de Burgh Lady in Red me fez suspirar imenso quando eu era teen. Há pouco estava a ver o seu videoclip, em que ele canta de franjinha, com fumo a aparecer por de trás dele e confesso que apesar disso tudo, ele tinha a sua pinta. E eu vibrava, especialmente com a parte do never seen so many men ask you if you wanted to dance, romance, chance... Dánse, como dizem os brits.
Hoje estou a ter um fim de tarde musical. Será mau gostar do novo tema da Sarah Connor, o remake do Son of a Preacher man? O Bola diz que devia ser proibido destruirem os classicos, mas eu confesso que gosto mais da versao dela. Apesar de ela ser nariguda.
Bom, a verdade é que neste momento da minha vida preciso da musica para me ajudar a lidar com este dilema, que se assemelha àquela situacao quando temos 8 anos e temos de escolher UM gelado. Super maxi? Perna de pau?
A entrevista para o outro emprego correu bem. Muito até.
Resumindo: menos horas de trabalho, mais 30% do que ganho agora, trabalho é quando 1 por 1, só mudando o produto. Uma cantina maior com comida sem risco de causar acidentes cardio-vascular a médio prazo. E uma empresa com classe. Que me transferem para a conta os gastos da ida lá. Muito professional.
Portanto, ando a tentar ver o que é que vou fazer à minha vida. Pois é CLARO que o pessoal que me entrevistou me adorou, porque eu sei fingir que sou amorosa. Uma artista. Mandei uma piadinha aqui e outra ali e eles viram logo que era preciso uma pessoa como eu, de sangue latino, para integrar a equipa South america. Além disso, tive sorte, é tudo gente a favor da diversidade cultural.
Como em momentos destes, só me dá pra pensar nos dias em que me encantava a ver o Tom Sawyer e os meus problemas nao iam além de conseguir ser eu a rapar o tacho dos bolos que a minha mae fazia. Nao há nada como ser crianca.

quarta-feira, outubro 24, 2007

a fresh start

Sao dez e meia da manha e já estou acordada desde as seis, quando o aquecimento despertou (entre a uma da manha e as seis permanece adormecido) e, como acho que é preciso despressurizar aquilo, ultimamente faz um barulhinho que me acorda. Além disso, o meu sono é sempre instável quando sei que no dia seguinte, tenho de fazer um brilharete, especialmente no que toca a fazer uso da expressao alema, que apesar de me ser familiar, ainda me coloca certos entraves. Hoje vou ter entrevista para um emprego que nao sei se quero muito. Quero, simplesmente nao sei o quanto. Há dias em que penso que sim, como hoje, por exemplo, mas ontem achava que nao. O Bola diz-me se tu mesma, mas de forma moderada, o que pressupoe que nao posso ser muito de MIM mesma. Ele também acha que quando me perguntarem o porque de eu me interessar pela industria de maquinaria, eu nao devo dizer que é por serem funcoes onde há muita testosterona. Vai daí, achei que devia vir pra net ler a história e os factos da empresa, para estar preparada. E que fique registado que cortei as unhas dos pés de propósito. Costumo deixar que elas atinjam um centímetro.
En confio no meu charme de Minhoca, mas nao é fácil querer mostrar interesse e argumentar as razoes duma mudanca quando eu no fundo, gosto do que faco,dos meus colegas,do meu trabalho. Só nao gosto da zona onde moro. Apetecia-me um fresh start, numa cidade nova, com flair internacional e certamente uma populacao mais interessante do que esta aqui neste fim do mundo.
Algo me diz que antes da entrevistal, ainda vou parar à casa-de-banho com as calcas na mao. Os meus intestinos nestas alturas nunca se compadecem de mim.

sábado, outubro 20, 2007

Ei-la!

Eu juro que isto já me andava a deixar preocupada. Desde há vários anos que volta e meia, penso...ah, e aquela série tao fixe da Superavozinha que dava no canal 1 quando eu era pequena... quando perguntava a alguem, NINGUEM sabia do que eu estava a falar. Chegada à Alemanha, tentei que algum alemao me ajudasse, pensa lá, deves-te lembrar, a série era alema e devia ter um nome tipo Superoma ou qualquer coisa, tinha uma boina e voava de bicicleta... eu devia ter uns 8, 9 anos, portanto foi nos anos 80. Nada. Ninguém se lembrava. Até que ontem descobri porque. Nao, nao é fruto da minha imaginacao. Ela existia mesmo e com a a boina. Mas aos 8 anos, nao nos podemos culpar por nao saber que alemao e holandes nao sao a mesma língua. Já agora, quando quiserem insultar um holandes, digam-lhes que o holandes surge da mescla do ingles com o alemao. Isso é quase tao forte como nos chamarem a nós espanhois.


Foto tirada daqui.

há que ser espontaneo

Ao fim de quase seis meses, acho que ja me posso a atrever a escrever um post daqui da minha secretária. Sao cinco e meia da tarde de sexta-feira e sou a unica no escritório, o que na Alemanha nao é nada de anormal. A sexta-feira à tarde é um mau dia para quem quer resolver questoes de carácter burocrático. Mesmo esta empresa, há uns anos atras, tinha horario flexivel à sexta, ou seja, a malta à uma da tarde dava de frosques. Mas depois os alemaes devem ter percebido que estamos na Uniao europeia e se a siesta nao é um fenómeno europeu, eles tambem nao podiam impor o sistema da balda da sexta-feira. Além disso, nunca se sabe quando é necessário outro Wirtschaftswunder e para isso há que estarmos preparados! Viva a identidade nacional, que até já falo dos alemaes na primeira pessoa do plural. Como eu ia a dizer...E vai daí, pronto, acabou-se a mama e passaram-se às 40 horas semanais de agora em vez das maravilhosas 35. Estava a pensar em fazer uma to-do list para o fim-de-semana. Normalmente nunca cumpro, mas dá-me um certo conforto saber que tenho uma to-do list, que posso sacar a qualquer momento do bolso, quando estiver por exemplo a pensar no que me aptece fazer.
--> procurar o edredon de Inverno para substituir pelo de Verao;
--> comparar precos para uma nova máquina digital, a actual já nao funciona;
--> arejar e lavar cobertores bolorentos do Invero passado.
--> fazer doce de manga;
--> mandar um mail à Universidade de Göttingen a perguntar porque é que logo agoro que eu ja nao estudo lá é que passaram a universidade de Elite. Aha, eu sou importante.
--> mandar um mail è Telekom a insultá-los e a dizer que vou passar para a Kabel Deutschland.
--> comprar uma daquelas cenas fixes que há nas bombas de gasolina para lavar os vidros. Daquelas que teem esponja dum lado e uma barra de borracha na outra para puxar a água.
--> lavar camisolas à mao e para isso comprar sabao em pó para lavar à mao. Ou procurar o pedaco de Clarim (lava mais branco) que trouxe de PT depois do Natal.
--> dar início à declaracao do IRS.
--> dar um ponto nas meias pretas para distinguir as minhas das do Jo, nao tem sido fácil.
--> tentar fazer um Streuselkuchen (bolo alemao com fruta em cima e Streusel, que é nada mais nada menos do que manteiga e acucar)

É melhor desistir. Um fim-de-semana nunca chega e como eu nao sei escolher, acho melhor virar-me para a espontaneidade.